País

"Quem se meter com o PS leva". Jorge Coelho, do "núcleo duro" de Guterres à fábrica de queijos na terra natal

O histórico socialista morreu esta quarta-feira, vítima de ataque cardíaco.

Morreu esta quarta-feira, vítima de ataque cardíaco, o histórico socialista Jorge Coelho.

Durante décadas, foi uma das vozes mais respeitadas e ouvidas no Partido Socialista e um dos adversários mais temidos pelas oposições. Ficou célebre a frase: "Quem se meter com o PS leva".

Foi o "braço direito de António Guterres no PS e um dos mais destacados políticos da sua geração.

Chegou ao Governo em 1995 e foi ministro de três pastas nos Governos de Guterres. Abandonou, para sempre, a vida política ativa em 2001, ao demitir-se na tragédia de Entre-Os-Rios.

Foi comentador da SIC no programa Quadratura do Círculo da SIC Notícias.

Aceitou também o lugar de Presidente Executivo da construtora de obras públicas Mota Engil, entre 2008 e 2013. Em 2018, voltaria à administração da empresa, já depois de ter fundado a Queijaria Vale da Estrela em Mangualde, a sua terra natal.

Jorge Coelho tinha 66 anos. Morreu em casa, na Figueira da Foz.