Economia

Exportações e importações disparam em julho com a inflação

Exportações e importações disparam em julho com a inflação
MF3d

As exportações e importações subiram 28% e 29%, respetivamente, face ao mês de julho de 2021.

As exportações aumentaram 28,3% e as importações cresceram 29,2% em julho, face ao mesmo mês de 2021, impulsionadas por aumentos homólogos de preços de 18,3% e 22,8%, respetivamente, divulgou esta sexta-feira o INE.

Segundo os dados do comércio internacional do Instituto Nacional de Estatística (INE), "em julho de 2022, as exportações e as importações de bens registaram variações homólogas nominais de +28,3% e +29,2%, respetivamente (+37,4% e +41,8%, pela mesma ordem, em junho de 2022)", tendo os índices de valor unitário - os preços - registado variações homólogas de +18,3% nas exportações e +22,8% nas importações.

Como principais contributos para esta evolução, o instituto destaca os acréscimos de fornecimentos industriais (+27,8% nas exportações e +21,1% nas importações) e de combustíveis e lubrificantes (+124,0% e +93,3%, respetivamente).

"Nas exportações de julho de 2022, face ao mesmo mês de 2021, salienta-se o aumento de fornecimentos industriais (+27,8%), especialmente produtos transformados, principalmente para Espanha. Nota ainda para os aumentos das exportações de combustíveis e lubrificantes (+124,0%) e de material de transporte (+31,8%, principalmente para a Alemanha), maioritariamente automóveis para transporte de passageiros", detalha o INE.

Já nas importações, "salienta-se o acréscimo de combustíveis e lubrificantes (+93,3%), refletindo em grande medida a subida do preço destes produtos no mercado internacional", sendo que "os fornecimentos industriais também registaram um crescimento expressivo (+21,1%), destacando-se os metais comuns, principalmente provenientes de Espanha".

Excluindo os combustíveis e lubrificantes, em julho de 2022 registaram-se aumentos de 23,1% nas exportações e 20,7% nas importações, em termos homólogos (+30,1% e +23,6% em junho de 2022, respetivamente). Os índices de valor unitário (preços) excluindo os produtos petrolíferos registaram variações homólogas de +13,8% nas exportações e +14,7% nas importações.

Relativamente ao mês anterior, em julho de 2022, as exportações aumentaram 1,3% e as importações diminuíram 3,9% (-5,5% e -2,7% em junho de 2022). No trimestre terminado em julho de 2022, as exportações e as importações cresceram 35,3% e 38,5%, respetivamente, em relação ao mesmo período de 2021 (+31,2% e +37,7%, no segundo trimestre de 2022).

Em julho de 2022, o défice da balança comercial atingiu 2.058 milhões de euros, o que representa um aumento de 504 milhões de euros face ao mesmo mês de 2021 e uma diminuição de 466 milhões de euros face ao mês anterior. Excluindo os combustíveis e lubrificantes, em julho de 2022 o défice da balança comercial totalizou 1.099 milhões de euros, correspondente a um aumento de 87 milhões de euros face a julho de 2021, apontou o INE.

Em julho de 2022, tendo em conta os principais países parceiros em 2021, é de salientar o aumento das transações com Espanha (+20,7% nas exportações e +22,5% nas importações), sobretudo de fornecimentos industriais em ambos os fluxos, e também nas importações de combustíveis e lubrificantes.

No segundo trimestre de 2022, os índices de valor unitário das exportações e das importações continuaram a registar "variações positivas significativas" (18,9% e 25,0%, respetivamente). Excluindo os produtos petrolíferos, os índices de valor unitário registaram variações homólogas de +13,9% e +15,8%. Pelo quinto trimestre consecutivo, verifica-se uma perda nos termos de troca - preço relativo das exportações em termos das importações.