Eleições Autárquicas

Lisboa tem maioria de vereadores de esquerda, mas Moedas promete consensos

Câmara de Lisboa era do Partido Socialista há 14 anos.

Foi a grande surpresa da noite eleitoral. Carlos Moedas é o próximo presidente da Câmara de Lisboa, depois de derrotar Fernando Medina por apenas um ponto percentual.

O social-democrata prometeu reunir consenso na autarquia, apesar da maioria de vereadores de esquerda. No discurso de vitória, falou num dia histórico em que ganhou "contra tudo e contra todos".

A seu lado, na hora da festa, estiveram os líderes dos dois principais partidos que o apoiaram, Rui Rio, do PSD, e Francisco Rodrigues dos Santos, do CDS-PP. Um e outro, reivindicaram bons resultados na noite da eleição.

RUI RIO DIZ QUE O PSD ESTÁ EM "MELHORES CONDIÇÕES" DE VENCER AS PRÓXIMAS LEGISLATIVAS

Em clima festivo, Rui Rio admitiu que foi um "excelente resultado" e que o partido está em "melhores condições" de vencer as próximas legislativas, mas sem querer confirmar que é recandidato à liderança dos sociais-democratas.

FRANCISCO RODRIGUES DOS SANTOS SUSTENTA QUE OS RESULTADOS ELEITORAIS DO SEU MANDATO "FALAM POR SI"

Francisco Rodrigues dos Santos sustentou que os resultados eleitorais alcançados no seu mandato "falam por si" e mostrou-se esperançoso que daqui para a frente possam "dar valor ao trabalho que tem vindo a ser feito".

Em aliança com o PSD em vários concelhos, o CDS venceu em cinco câmaras, menos uma do que em 2017.

O suspense marcou a noite eleitoral desde as 21:00 de domingo e das sondagens à boca das urnas que davam um empate entre Fernando Medina e Carlos Moedas, com a derrota do PS em Coimbra, para uma aliança do PSD à direita liderada por José Manuel Silva, e na Figueira da Foz, recuperada pelo ex-presidente Pedro Santana Lopes.

VEJA AQUI OS RESULTADOS DAS AUTÁRQUICAS 2021

► SAIBA TUDO O QUE SE PASSOU NA NOITE DAS AUTÁRQUICAS

VEJA TAMBÉM:

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia