Coronavírus

Fábrica da Fiat na China vai produzir cerca de 1 milhão de máscaras por mês

Tyrone Siu/ Reuters

Indústria automóvel tenta responder aos apelos para ajudar no combate à pandemia, incluindo através da produção de ventiladores.

Especial Coronavírus

A indústria automóvel está a ser interpelada por vários Governos para que ajude a fabricar ventiladores e máscaras para colaborar no combate à pandemia de Covid-19. A Fiat começou a converter uma das suas fábricas na China para começar a produzir cerca de 1 milhão de máscaras por mês.

Esta fábrica de automóveis vai começar a produzir cerca de 1 milhão de máscaras por mês, já nas próximas semanas, adiantou à BBC via email Mike Manley, chefe-executivo da Fiat.

Outras gigantes da indústria automóvel estão a tentar responder aos apelos e a estudar a melhor forma de converter o processo de produção. General Motors, Ford e Tesla, já prometeram enveredar esforços para contribuir para a produção de mais ventiladores.

Várias fábricas de produção automóvel, na Europa, Ásia e Estados Unidos, fecharam, como forma de impedir a propagação do novo coronavírus.

Alguns especialistas já vieram, no entanto, avisar que a produção de ventiladores exige componentes "altamente específicos", disse à Wired Jens Hallek, responsável da fabricante de ventiladores Hamilton Medical.

O alerta surgiu depois de uma publicação do Presidente dos Estados Unidos no Twitter.

"Ford, General Motors e Tesla estão sendo dispensados para fabricar ventiladores e outros produtos de meal, RÁPIDO!", escreveu Donald Trump na rede social, este domingo.

A fabricação de ventiladores exige "um conhecimento especializado". "Essas máquinas são extremamente sensíveis. Se um dos componentes não funcionar corretamente, a máquina não poderá ser usada", afirmou Jens Hallek.

SIGA AQUI AO MINUTO AS ÚLTIMAS INFORMAÇÕES SOBRE A PANDEMIA DE COVID-19

Veja também:

O novo coronavírus, responsável pela pandemia de Covid-19, já infetou mais de 345 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 15.100 morreram.


Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.