Coronavírus

Primeiro-ministro britânico fez "pequenas caminhadas" no hospital 

Carl Recine

Boris Johnson terá ainda conversado com os médicos que o estão a tratar e agradeceu a toda a equipa clínica pelo atendimento que recebeu.

Especial Coronavírus

O primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, já consegue fazer "pequenas caminhadas" no hospital, onde continua a recuperar da infeção de Covid-19, indicou hoje um porta-voz.

"O primeiro-ministro conseguiu fazer pequenas caminhadas, entre períodos de descanso, como parte dos cuidados que está a receber para ajudar na recuperação", referiu.

Johnson terá ainda conversado com os médicos que o estão a tratar e agradeceu "a toda a equipa clínica pelo incrível atendimento que recebeu", acrescentou.

Antes, um porta-voz do primeiro-ministro britânico tinha confirmado que Boris Johnson continuava a recuperar da doença no hospital St. Thomas, em Londres.

"O primeiro-ministro está de volta numa enfermaria e continua a sua recuperação, que estes numa fase inicial. Ele continua muito animado", disse na altura.

Johnson saiu na quinta-feira dos cuidados intensivos, onde passou três noites, devido à persistência dos sintomas da doença, com a qual foi diagnosticado a 26 de março.

Foi inicialmente hospitalizado a 05 de abril "por precaução" para fazer testes por continuar com "sintomas persistentes ao fim de 10 dias" e passou para os cuidados intensivos no dia seguinte.

Segundo o seu gabinete, recebeu oxigénio, mas continuou a respirar sem assistência, não tendo por isso necessitado de ventilação mecânica ou apoio respiratório invasivo por não ter sido desenvolvido pneumonia.

A Covid-19, causada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, é uma infeção respiratória aguda que pode desencadear uma pneumonia.

A pandemia de Covid-19 já provocou mais de 96 mil mortos e infetou quase 1,6 milhões de pessoas em 193 países e territórios. A Europa é o continente com mais casos contabilizados (826.382) e com maior número de vítimas mortais (66.642).

A Itália é o país com maior número de mortes, seguida dos Estados Unidos, da Espanha, da França e do Reino Unido.