Coronavírus

Lourenço Medeiros: “Stayaway Covid não é uma invasão da privacidade. A obrigatoriedade é”

O jornalista da SIC explica o funcionamento da aplicação e analisa a decisão do Governo de a tornar obrigatória.

Saiba mais...

Lourenço Medeiros, jornalista especializado em tecnologia, analisa a proposta do Governo de tornar o uso da aplicação Stayaway Covid obrigatório. O objetivo é reduzir os possíveis contactos com pessoas infetadas pelo novo coronavírus. “A stayaway covid não é uma invasão da privacidade, a obrigatoriedade é. Eu acho que isto foi – desculpem-me a honestidade – um tiro no pé”, disse o jornalista.

Para Lourenço Medeiros tem havido uma falha na divulgação do modo de funcionamento da aplicação, com especial enfoque para questão da privacidade dos cidadãos que utilizam a app.

“O tal código vai servir para avisar, de forma absolutamente anónima, as pessoas que contactaram connosco – mais de 15 minutos e a menos de dois metros – e que tenham tido a aplicação ligada durante esse tempo”, explica reforçando que “os códigos não revelam onde foi, nem quem foi, nem a que horas, nem em que dia”

Apesar de terem sido realizados mais de um milhão de downloads da Stayaway Covid, os dados mais recentes avançam que apenas 113 códigos foram inseridos na aplicação. “Nós temos a tendência erradíssima de esconder que fomos infetados, o que devíamos era avisar quem nos rodeia”, afirma o jornalista.

“Se houver dois milhões de pessoas a pôr a aplicação e com isso tudo salvarmos uma vida eu acho que valeu a pena”, afirma Lourenço Medeiros, relembrando que este sistema “é gratuito e não faz mal a ninguém”.

  • Investir agora na infância para poupar no futuro

    Desafios da Mente

    Assegurar o desenvolvimento saudável de todas as crianças é essencial para as sociedades que procuram alcançar o seu pleno potencial sanitário, social e económico. A prevenção da adversidade precoce deve ser uma preocupação diária e não apenas assunto no mês de abril, mês Internacional da Prevenção dos Maus-Tratos na Infância. Os Governos, as famílias, as comunidades e as organizações devem ser envolvidas a fim de alcançar estes objetivos.