Coronavírus

Covid-19. Enfermarias de hospitais na região Centro com ocupação de 93%

Ordem dos Médicos diz que há doentes graves com dificuldades para tratamento.

Saiba mais...

Na região Centro o cenário é de hospitais no limite da capacidade para responder à covid-19. A Ordem dos Médicos diz que há doentes em estado grave com dificuldades em serem tratados, e a resposta de retaguarda é insuficiente.

Com o mapa de concelhos da região Centro pintado a vermelho do índice de infeções extremamente elevado, a resposta covid dos hospitais está praticamente esgotada.

Os dados de segunda-feira revelaram que as enfermarias estavam com 93% de taxa de ocupação e, das 129 camas de cuidados intensivos, 89% tinham pacientes.

No centro hospitalar e universitário de Coimbra, dedicadas à covid sobravam na segunda-feira cinco camas de cuidados intensivos e o mesmo número nas enfermarias.

Como que a demonstrar as dificuldades, a reorganização de recursos humanos levou à eliminação de metade das camas de cuidados intensivos neonatais, na Maternidade Bissaya Barreto.

Para os médicos, há muito que se devia ter preparado a resposta de retaguarda.

Uma pressão sobre o SNS, que para a Secção Regional do Centro da Ordem dos Médicos exige o encerramento das escolas.

Os distritos de Aveiro, Coimbra e Viseu são agora os mais pressionados, mas com mais de mil novos casos diários, o cenário é semelhante nos vários distritos da região.

  • 0:40
  • Investir agora na infância para poupar no futuro

    Desafios da Mente

    Assegurar o desenvolvimento saudável de todas as crianças é essencial para as sociedades que procuram alcançar o seu pleno potencial sanitário, social e económico. A prevenção da adversidade precoce deve ser uma preocupação diária e não apenas assunto no mês de abril, mês Internacional da Prevenção dos Maus-Tratos na Infância. Os Governos, as famílias, as comunidades e as organizações devem ser envolvidas a fim de alcançar estes objetivos.