Coronavírus

Hospitais da Beira Interior sob pressão têm reforçado número de camas

Há unidades de saúde praticamente no limite.

Saiba mais...

Nos distritos de Castelo Branco e da Guarda as unidades de saúde têm reforçado o número de camas nos últimos dias, mas todas elas estão quase no limite da capacidade de internamento.

Na Guarda, o hospital atingiu esta terça-feira o limite da capacidade de internamento nos cuidados intensivos covid-19 com todas as 12 camas ocupadas. As duas enfermarias estão também quase lotadas. São 80 os doentes internados, sobram apenas duas camas disponíveis.

A unidade de saúde conta nos próximos dias conseguir reforçar a capacidade de internamento com mais 18 camas que ficarão nas instalações de pneumologia.

A nova reorganização obriga a que este serviço passe a funcionar no espaço da unidade de cirurgia de ambulatório com a transferência de pequenas cirurgias para o hospital de Seia.

Na Covilhã, o centro hospitalar universitário da Cova da Beira, que abrange também os concelhos do Fundão e Belmonte, tem recebido doentes transferidos de outros hospitais do país e já abriu a quarta enfermaria. Soma 125 camas para internamento, 97 estão ocupadas. A unidade de cuidados intensivos atingiu o limite com oito doentes internados.

Com uma enfermaria já lotada e com outra que para lá caminha está o hospital de Castelo Branco, que no total das 37 camas tem apenas uma livre. O mesmo acontece com a unidade de cuidados intensivos onde estão internados sete doentes. Sobra uma cama, mas há margem para aumentar para mais quatro caso seja necessário.