É um problema de amor

"Eu não podia ficar nas encolhas"

Humberto Candeias

Humberto Candeias

Repórter de Imagem

Vanda Paixão

Vanda Paixão

Editora de Imagem

Francisco Fanhais tem apenas dois discos de originais gravados entre 1969 e 1979 e como Padre Fanhais. Assegura que há um momento profundo de mudança na sua vida quando, em 1963, ainda no seminário, um padre lhe entrega um disco de José Afonso e aconselha-o a ouvi-lo "baixinho".

Ao ouvir canções como "Os Vampiros", Fanhais percebe que não "podia ficar nas encolhas", tinha de "cantar coisas que digam alguma coisa que não seja apenas falar das nuvens azuis e dos passarinhos e das asas dos anjinhos".

Fanhais sentiu que com a "música, com as palavras, com os poemas e com a voz podíamos fazer mais do que pregar o Espírito Santo". Porém, a hierarquia católica portuguesa não apreciou a carreira musical do padre que denunciava injustiças sociais e que questionava o regime do Estado Novo.

Acabaria por ser expulso da Igreja e por abandonar as funções sacerdotais. Em 1971, exilado em França, participa nas gravações de "Cantigas de Maio" de José Afonso, músico com quem sempre manteve uma relação próxima.

Francisco Fanhais foi um dos artistas portugueses que gravou discos antes de 1974.

Veja também:

► Reportagem Especial: "É um problema de amor"

Paulo de Carvalho: "Se fiquei na história foi por acaso"

Jorge Palma: "Portugal era um atraso de vida"

José Jorge Letria: "As cantigas foram fundamentais para que houvesse 25 de Abril"

Sérgio Godinho: "Tenho canções de forte empenho social"

Manuel Freire: "Eu quero dar um recado com as cantigas"

Fernando Tordo: "O medo hoje tem outras cores, outro cheiro, outro som, mas existe"

Carlos Mendes: "Nós invadimos os festivais da canção para contestar"

Luís Cília: "Depois de 1974, a chegada a Portugal foi uma festa"

José Barata-Moura: "Toda a canção é política mesmo quando o autor quer fugir disso"

Arnaldo Trindade: "Talvez um burguês"

►A PÁGINA DA REPORTAGEM ESPECIAL