É um problema de amor

"Depois de 1974, a chegada a Portugal foi uma festa"

Humberto Candeias

Humberto Candeias

Repórter de Imagem

Vanda Paixão

Vanda Paixão

Editora de Imagem

Nasceu em Angola. Veio para Portugal em 1959. Em abril de 1964 partiu para Paris, onde viveu até 1974 e onde iniciou a carreira como artista a solo. Luís Cília grava o primeiro trabalho, logo em 1964, na prestigiada editora Chant du Monde e começa um percurso de composição musical de braço dado com a poesia portuguesa.

De José Gomes Ferreira a Manuel Alegre, Cília deu voz a muitos poetas silenciados pelo regime político da altura, em Portugal. O músico agradece especialmente a Daniel Filipe que diz ter sido essencial na passagem de Cília dos grupos pop para outro estilo.

Regressa a Portugal, depois do 25 de Abril, no mesmo avião que trazia o comunista Álvaro Cunhal e o músico José Mário Branco, entre outros. Mantém, até hoje, atividade na música, mas já não no canto.

Luís Cília é autor de várias bandas sonoras e tem desenvolvido a escrita musical erudita contemporânea.

Veja também:

► Reportagem Especial: "É um problema de amor"

Paulo de Carvalho: "Se fiquei na história foi por acaso"

Jorge Palma: "Portugal era um atraso de vida"

José Jorge Letria: "As cantigas foram fundamentais para que houvesse 25 de Abril"

Francisco Fanhais: "Eu não podia ficar nas encolhas"

Sérgio Godinho: "Tenho canções de forte empenho social"

Manuel Freire: "Eu quero dar um recado com as cantigas"

Fernando Tordo: "O medo hoje tem outras cores, outro cheiro, outro som, mas existe"

Carlos Mendes: "Nós invadimos os festivais da canção para contestar"

José Barata-Moura: "Toda a canção é política mesmo quando o autor quer fugir disso"

Arnaldo Trindade: "Talvez um burguês"

►A PÁGINA DA REPORTAGEM ESPECIAL