UEFA Euro 2020

Euro2020. Christian Eriksen, o prodígio da seleção dinamarquesa

O jogador caiu inanimado durante o jogo contra a Finlândia.

Christian Eriksen é um dos jogadores com mais internacionalizações da história da seleção da Dinamarca. Tetracampeão na Holanda, chegou a Londres pela mão de André Villas-Boas e conquistou o título italiano pelo Inter de Milão.

Nasceu há 29 anos e, desde cedo, é visto como um prodígio do futebol dinamarquês. Christian Eriksen começou o percurso no país natal, mas foi a partir do Ajax de Amesterdão que deu o salto rumo ao estrelato. O talento já estava bem à vista.

Quando ainda jogava na capital da Holanda, tornou-se internacional pela Dinamarca. Era, então, o mais jovem jogador a estrear-se pela seleção nórdica desde o histórico Michael Laudrup. As comparações entre Laudrup e Eriksen foram sempre frequentes.

Em 2013, rumou àquele que para muitos é o melhor campeonato do mundo, a Premier League, e foi pela mão do português André Villas-Boas que lá chegou. No norte de Londres vestiu a camisola do Tottenham por seis época e meia. Por duas vezes foi considerado o jogador do ano do clube de White Hart Lane.

Já em 2020, Eriksen começou um novo percurso em Milão. O início no Inter não foi fácil, o médio demorou a adaptar-se ao estilo de jogo de Antonio Conte, mas a mais recente temporada de 2020/21 terminou em glória: quatro golos na segunda metade da época, incluindo no dérbi de Milão, e a honra de levantar o Scudetto ao serviço de um Inter que já não o ganhava há onze anos.

Pela seleção da Dinamarca junta 36 golos em 108 jogos e cinco troféus individuais de jogador dinamarquês do ano – mais do qualquer outro jogador. Christian Eriksen: um clássico número 10, de recorte técnico invulgar nos países nórdicos, um rematador acima da média, uma referência no futebol dinamarquês.

Acompanhe o especial sobre o Euro2020

Veja mais:

  • Dentro do coração
    4:23

    Futuro Hoje

    Há 7 anos no Futuro Hoje mostrámos pela primeira vez um pacemaker que se instala dentro do coração. Em Portugal há muitas pessoas a quem este aparelho salvou a vida. Só o Dr. Diogo Cavaco, cardiologista que introduziu esta técnica no país, já instalou mais de cem aparelhos destes.