Guerra Rússia-Ucrânia

Três navios com alimentos deixam portos ucranianos através do corredor humanitário marítimo

Três navios com alimentos deixam portos ucranianos através do corredor humanitário marítimo
NurPhoto
Transportavam 33.750 toneladas de alimentos.

Três navios comerciais partiram de portos ucranianos transportando um total de 33.750 toneladas de alimentos através do corredor humanitário marítimo, anunciaram fontes oficiais.

Em comunicado, o centro de coordenação conjunta da denominada "Iniciativa de Cereais do Mar Negro" da ONU indicou que a primeira embarcação partiu do porto de Chornomorsk com destino a Amsterdão, Países Baixos, e que transporta 18.500 toneladas de farinha de girassol.

O segundo navio deixou o porto ucraniano de Odessa com destino a Istambul, na Turquia, com 8.000 toneladas de milho a bordo e a terceira embarcação, carregada com 7.250 toneladas de óleo de girassol, chegará a Gubre, também na Turquia, após ter partido de Odessa.

Além disso, quatro navios comerciais com destino à Ucrânia foram inspecionados hoje no Mar de Mármara e foram libertados para prosseguir navegação: dois com destino a Odessa, um com destino a Chornomorsk e outro a Yuzhny/Pivdennyi.

Na quinta-feira, as equipas do centro de coordenação conjunta realizarão inspeções a vários navios.

"De acordo com os procedimentos acordados no centro de coordenação conjunta, todos os participantes estão em coordenação com os seus respetivos militares e outras autoridades relevantes para garantir a passagem segura de navios comerciais sob a Iniciativa de Cereais do Mar Negro", lê-se no comunicado oficial.

Até à passada segunda-feira, a Turquia havia sido o principal destino dos navios que saíram da Ucrânia (26 por cento do total), Irão (22%), Coreia do Sul (22%), entre outros países como a China, Irlanda ou Itália, segundo a iniciativa lançada pela Rússia, Turquia, Ucrânia e Organização das Nações Unidas (ONU) através de acordos assinados separadamente pela Rússia e pela Ucrânia.

A Iniciativa de Cereais do Mar Negro visa responder à alta inflação dos preços dos alimentos e à insegurança alimentar global, causada pela guerra da Rússia na Ucrânia.

Insegurança alimentar

A insegurança alimentar está em níveis recordes, com dezenas de milhões de pessoas em risco de fome em todo o mundo.

De acordo com a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação, a Ucrânia contribui com cerca de 10,3% e 12,6% das exportações globais de trigo e milho, respetivamente.

A sua participação nos produtos de girassol (sementes e óleo) é de 48,2%.

O reinício das exportações libertará espaço de armazenamento na Ucrânia e evitará desperdícios. Também garantirá uma cadeia de abastecimento de alimentos para esta e colheitas subsequentes, segundo a CCC.

Últimas Notícias
Mais Vistos