Guerra Rússia-Ucrânia

Civis mortos encontrados com sinais de tortura em aldeia ucraniana

Símbolo das forças russas pintado.
Símbolo das forças russas pintado.
SOPA Images
O anúncio foi feito pelo Ministério Público ucraniano.

Quatro cadáveres de civis foram encontrados com "sinais de tortura" na aldeia ucraniana de Zaliznytchne, na região de Kharkiv, recentemente recuperada por Kiev às forças russas, anunciou esta segunda-feira o Ministério Público ucraniano.

Segundo a mesma fonte, os quatro cadáveres foram encontrados no domingo e "exibiam sinais de tortura".

"Três deles tinham sido enterrados em propriedades familiares, o outro tinha sido enterrado no terreno junto à fábrica de asfalto, em frente à estação ferroviária" da aldeia, precisou o Ministério Público na rede social Facebook. "Segundo a versão preliminar do inquérito, as vítimas foram mortas pelos militares russos durante a ocupação da aldeia", prosseguiu a entidade.

De acordo com a mesma fonte, foram os habitantes que "contactaram as forças da ordem [ucranianas] e relataram que militares russos tinham matado os seus concidadãos", após a passagem daquela aldeia para controlo ucraniano na semana passada.

A Ucrânia anunciou nos últimos dias ganhos territoriais significativos na região de Kharkiv, fronteiriça com a Rússia no nordeste do país e que estava parcialmente sob ocupação russa desde o início da guerra, há mais de seis meses.

Noutra aldeia da região, Grakove, cujo grau de destruição testemunha a violência dos combates, o Ministério Público tinha igualmente indicado ter descoberto os cadáveres de dois civis com sinais de tortura e ferimentos de balas na nuca.

As tropas russas foram acusadas de muitas atrocidades durante a sua ocupação dos arredores de Kiev, especialmente em Bucha, de onde retiraram no final de março e onde as autoridades ucranianas encontraram, a seguir, centenas de cadáveres de civis com sinais de tortura e de terem sido executados, com as mãos atadas e tiros na cabeça, em valas comuns, espalhados pelas ruas e em pilhas carbonizados nas ruas.

Um cenário que o ministro dos Negócios Estrangeiros ucraniano, Dmytro Kuleba, classificou em abril como apenas "a ponta do icebergue" da brutalidade da invasão russa em curso no país.

Estes alegados crimes de guerra estão já a ser investigados pelo Tribunal Penal Internacional (TPI).Por seu lado, Moscovo negou qualquer crime e garantiu que se trata de encenações.

Últimas Notícias
Mais Vistos