Guerra Rússia-Ucrânia

Conselheiro de Zelensky afirma que mobilização na Rússia contraria planos iniciais de Moscovo

Mijailo Podolyak, conselheiro do Presidente da Ucrânia.
Mijailo Podolyak, conselheiro do Presidente da Ucrânia.
Anadolu Agency/Getty Images

“Ainda está tudo dentro dos planos, certo?", ironiza Mijailo Podolyak após a Rússia esperar que a guerra demorasse apenas três dias.

O conselheiro do Presidente ucraniano afirmou esta quarta-feira que a mobilização de reservistas anunciada hoje pela Rússia contraria todos os planos iniciais de Moscovo, que esperava que a agressão demorasse apenas três dias até a Ucrânia sucumbir.

"Estamos no dia 210 da 'guerra de três dias'. Os russos, que exigiam a destruição da Ucrânia, acabaram por ser mobilizados, por ver fronteiras encerradas, por enfrentar um bloqueio das suas contas bancárias, por ser presos por deserção", escreveu Mijailo Podolyak numa mensagem divulgada na rede social Twitter.

O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, anunciou esta quarta-feira uma "mobilização parcial" dos cidadãos do país, quando a guerra na Ucrânia está quase a chegar ao sétimo mês do conflito, numa mensagem dirigida à nação. A medida, que já entrou hoje em vigor, é justificada com a necessidade de defender a soberania e a integridade territorial do país.

Numa das primeiras reações da Ucrânia à mobilização parcial decretada pelo Presidente russo e noticiada pela agência de notícias ucraniana Ukrinform, Podolyak ironiza: “Ainda está tudo dentro dos planos, certo? A vida tem um grande sentido de humor”.

O ministro da Defesa russo, Sergey Shoigu, anunciou a mobilização de 300 mil reservistas e reconheceu que o país perdeu 5.937 soldados durante a campanha na Ucrânia iniciada em fevereiro. A Rússia, que invadiu a Ucrânia a 24 de fevereiro, está pronta a utilizar "todos os meios" ao seu dispor para "se proteger", declarou Putin, que acusou o Ocidente de procurar destruir o país.