Orçamento do Estado

OE 2022: ainda não há acordo entre Bloco de Esquerda e Governo

ANTÓNIO COTRIM

Governo reuniu-se esta terça-feira com o BE e o PCP.

O Bloco de Esquerda saiu do encontro desta terça-feira com o Governo sem acordo para viabilizar o Orçamento de Estado para 2022, mas está prevista uma nova reunião.

Fonte do Governo afirma que o Executivo apresentou ao BE avanços em vários domínios, designadamente em matéria laboral e saúde. Há pontos em que subsistem divergências já conhecidas.

"Vamos continuar a trabalhar e há novas reuniões previstas", afirmou fonte oficial afirmou à SIC.

O Governo recebeu o Bloco de Esquerda que, na segunda-feira, enviou as nove propostas que quer ver incluídas no Orçamento, e está reunido com o PCP, como adianta o repórter da SIC, Miguel Domingos.

Já de acordo fonte oficial bloquista, citada pela agência Lusa, o Governo "recusa a reversão de qualquer das cinco regras que o Bloco quer reverter, ficando por medidas simbólicas que não concretizou por escrito".

Em relação à Segurança Social, não foi feita qualquer proposta, enquanto na saúde o BE espera por "novas redações com eventuais aproximações do Governo".

PCP diz que não cede a pressões nas negociações

O PCP diz que não cede a pressões nas negociações do Orçamento do Estado e diz que o partido está disponível para encontrar soluções que protejam os trabalhadores.

Jerónimo de Sousa defende ainda que o que se exige em matéria de Orçamento do Estado são "respostas para os problemas e não dramatizações políticas", sustentando que essas respostas "não só são necessárias como são possíveis".

"São exigidas respostas para os problemas e não dramatizações políticas", disse Jerónimo de Sousa, enquanto discursava durante uma sessão intitulada "Envelhecer com direitos. Surto epidémico. As respostas necessárias", no Centro de Trabalho Vitória, em Lisboa.

Governo está aberto a melhorias, garante primeiro-ministro

António Costa insiste que este é um bom Orçamento, mas garante que o Governo está disposto a melhorá-lo.

Presidente da República volta a insistir que é preciso prevenir uma crise política

Marcelo Rebelo de Sousa voltou a dizer que o "desejável é não haver crise" política por causa do Orçamento do Estado.

O Presidente da República acrescentou que o que tinha a dizer "disse na altura certa" e que agora vai aguardar por dia 27 de outubro.

Veja também: