Saúde Mental

O impacto da pandemia na saúde mental dos portugueses

Engin Akyurt

Rita Rogado

Rita Rogado

Jornalista

A pandemia chegou e com ela trouxe o confinamento, o distanciamento físico, o medo da infeção, a crise económica e a incerteza do futuro. Os planos foram adiados, os hábitos reajustados e a vida nunca mais foi a mesma. O aumento do stress e da ansiedade fizeram com que a nossa saúde mental saísse prejudicada de tudo isto.

A vida mudou sem que nós pedíssemos

Estávamos em março quando as vidas dos portugueses mudaram. No dia 2, a ministra da Saúde, Marta Temido, anunciou os primeiros casos de covid-19 no país: dois homens, um de 60 e outro de 33 anos, ambos tinham regressado de viagens a Itália e Espanha. No dia 16, tivemos conhecimento da primeira morte, também através da ministra da Saúde. Dois dias depois, o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, decretou estado de emergência por 15 dias. A partir desse momento, a vida nunca mais foi a mesma.

ANDRÉ KOSTERS / LUSA

Os hábitos e as rotinas de grande parte da população sofreram um embate e todos tiveram de se adaptar a uma nova realidade. As crianças foram obrigadas a trocar a sala de aula tradicional por uma sala de aula virtual - a telescola - e os pais precisaram de estar presentes mais do que nunca, desempenhando também eles em parte o papel de professor.

O teletrabalho foi a solução que muitas empresas encontraram para evitar a propagação do vírus, manter os empregos e não parar a atividade. Mas muitos negócios não puderam recorrer ao teletrabalho e tiveram mesmo de fechar portas por tempo indeterminado, como por exemplo as lojas de roupa, restaurantes, espaços de cuidado e beleza.

O estado de emergência, que contempla o confinamento obrigatório e restrições à circulação na via pública, foi prolongado pelo Presidente da República três vezes e só terminou a 2 de maio. Durante esse período, os portugueses só podiam sair de casa para irem trabalhar ou fazer compras de bens essenciais e os ajuntamentos estavam proibidos.

A cidade de Lisboa durante a quarentena

A cidade de Lisboa durante a quarentena

André Pacheco

As visitas à família e amigos foram trocadas por videochamadas, os abraços e os beijos perderam o lugar para as "cotoveladas" e passámos a não sair de casa sem chaves, carteira, telemóvel e máscara, o novo, que já não é novo, acessório que nos cobre parte do rosto e quase esconde por completo as emoções.

O facto é que grande parte dos portugueses esteve muito tempo fechada em casa, sem conversar cara-a-cara com um amigo, sem poder dar um passeio até à praia nos domingos de sol. Sem viajar, sem ver uma peça de teatro, sem ir a um jogo de futebol ou ao cinema. Fomos obrigados a encontrar alternativas para ocupar a mente. Para nos mantermos saudáveis também a esse nível.

Pandemia. Uma palavra que assusta. Não aconteceu só aos outros, está a acontecer a todos nós. A pandemia trouxe o medo de tudo e mais alguma coisa. Apesar de já não estarmos em estado de emergência, de já conseguirmos dar o tal passeio na praia e de fazer a visita aos pais e aos avós, sempre com os devidos cuidados, a verdade é que a pandemia deixou e continua a deixar marcas.

O que sabemos sobre o impacto da pandemia?

O bastonário da Ordem dos Psicólogos Portugueses, Francisco Miranda Rodrigues, e a psicóloga clínica Manuela Bispo reconhecem que os dados sobre o impacto da pandemia ainda são poucos. À SIC Notícias, a psicóloga defendeu que ainda é "um pouco cedo" para apontar para grandes alterações. No entanto, não duvida que existam: "este período de confinamento é evidente que tem de deixar uma marca em todos nós".

Um estudo realizado pela Mind - Instituto de Psicologia Clínica e Forense concluiu que, numa fase inicial da pandemia, quase metade dos portugueses (49,2%) sentiu um impacto psicológico "moderado a severo". O que mais sentiram? Principalmente depressão, ansiedade e stress. As mulheres, os desempregados, as pessoas com menos escolaridade, com sintomas de gripe ou com doenças crónicas e ainda os habitantes de zonas rurais são os mais propícios a sentirem os impactos da pandemia.

O estudo desenvolvido no final de março contou com a colaboração do Centro de Investigação em Psicologia da Universidade Autónoma de Lisboa e do Departamento de Educação e Psicologia da Universidade de Aveiro.

À SIC Notícias, o bastonário da Ordem dos Psicólogos Portugueses disse prever que os impactos da pandemia na saúde mental cresçam nos próximos meses, sobretudo com o aumento do desemprego e da crise económica.

A Ordem dos Psicólogos divulgou um relatório sobre os impactos da pandemia na saúde mental dos portugueses, no Dia Internacional da Saúde Mental: "Crise Socioeconómica, Pobreza e Desigualdades Durante e Após a Pandemia".

A Ordem referiu no documento que o bem-estar e a saúde mental dependem de um conjunto de fatores socioeconómicos. À semelhança do bastonário, aponta para impactos negativos, como a diminuição do bem-estar e o aumento do stress e de problemas de saúde mental, como ansiedade e depressão, provocados pela crise socioeconómica.

Segundo o relatório, os fatores socioeconómicos que agravam a saúde mental em contexto de pandemia são o desemprego, a precariedade laboral, a perda de rendimento, a pobreza e a exclusão social.

A resposta existe? "É uma pedrada no charco"

Francisco Miranda Rodrigues afirmou que o Aconselhamento psicológico na linha telefónica do SNS 24 veio melhorar a resposta ao impacto da pandemia na saúde mental e que o serviço é um passo histórico em "plena crise". No entanto, considerou que é limitado.

"Muitas vezes os psicólogos identificam a necessidade de ter que ter algum acompanhamento. Esse mecanismo de encaminhamento para o Serviço Nacional de Saúde não existe", argumentou.

A rezão? Não há psicólogos suficientes para dar uma resposta em tempo útil no Serviço Nacional de Saúde.

Estamos todos a viver uma "angústia existencial pandémica"

Há pessoas que não saem de casa porque têm receio de ficar infetadas, há pessoas que estão constantemente a desinfetar-se a si e aos objetos à sua volta com medo de ficarem doentes. A pandemia condiciona todos os dias a vida de muitas pessoas.

O psiquiatra Vítor Cotovio contou à SIC Notícias que costuma dizer que a sociedade está a viver atualmente "uma angústia existencial pandémica".

Canva

"Traduz-se como, ou porque estou mais obsessivo com os rituais de limpeza, há pessoas que estão a fazer mais do que aquilo que é necessário porque são muito obsessivas, limpam mas acham que está sujo e tornam a limpar, e vão verificar e ficam angustiadas, ou ficam mais hipocondríacas, ou ficam com ataques de pânico perante a ameaça de rutura e de perder a vida, a sua ou dos seus. Ou ficam mais paranoicos, a olhar para o lado e a dizerem 'será que este me vai infetar' e, portanto, ficam mais desconfiadas", considerou.

Questionámos que impacto a pandemia de covid-19 poderia ter nas pessoas com perturbações mentais. O psiquiatra explicou que podia acontecer duas coisas: acentuar muito os sintomas ou provocar recaídas.

Uma vez que a pandemia traz a ideia de contaminação, uma pessoa que tenha uma perturbação obsessiva compulsiva pode sofrer um aumento dos sintomas. E o mesmo acontece com alguém que tinha a doença controlada há anos.

"Na clínica, eu estou a apanhar situações de pessoas que já não via há 10, 15 anos, porque estavam estabilizadas e agora voltaram às consultas pelo impacto da pandemia. Ou porque voltaram a ter ataques de pânico, ou porque voltaram a desorganizar-se em coisas depressivas, porque às tantas não sabem bem o que é que vai acontecer na vida delas", disse à SIC Notícias.

Veja também:

  • A vida nunca mais foi a mesma desde aquela noite

    Saúde Mental

    "Quis contar a minha história ao pormenor por vários motivos: não por ser um drama razoavelmente bom, mas porque não quero que outros se sintam sozinhos nesta difícil jornada. Não sou especialista para vos aconselhar de forma certeira, mas posso enumerar algumas coisas que tenho aprendido". Este é um testemunho, sem nome, sem rosto, que aqui é o menos importante, de quem aceitou partilhar momentos intímos com o objetivo de ajudar os outros.

  • Perguntas & respostas sobre Saúde Mental

    Saúde Mental

    Dez respostas a perguntas que todos nós, volta e meia, vamos fazendo. É um pequeno guia, feito com a colaboração do psicólogo clínico e forense Mauro Paulino, para ajudar quem tem dúvidas sobre questões relacionadas com a saúde mental.

  • Vamos falar de saúde mental

    Saúde Mental

    Porque é importante e muitas vezes desvalorizada. Porque devemos cuidar dela. E porque sem ela surgem as perturbações mentais que afetam a vida de milhões de pessoas no mundo.

  • Curso de saúde mental online e gratuito

    Saúde Mental

    Na semana em que se assinala o Dia Mundial da Saúde Mental, os portugueses passam a ter disponível um curso online gratuito que ensina a identificar sinais de alerta e a encontrar soluções num ano em que a pandemia tem desafiado a saúde mental de muitas pessoas.

  • Como está a saúde mental das crianças e dos jovens?

    Saúde Mental

    Vinte por cento das crianças e adolescentes têm, pelo menos, uma perturbação mental. Em Portugal, quase 31% dos jovens têm sintomas depressivos, a maioria moderados ou graves. Os psicólogos dizem que estes números são preocupantes. Os sinais de alerta nem sempre são fáceis de identificar nas crianças. Os pais e a comunidade escolar devem estar atentos.

  • 17:19