Vacinar Portugal

Covid-19. Pfizer antecipa entrega de 50 milhões de doses à UE e negocia terceiro contrato

O objetivo é tentar compensar os atrasos da AstraZeneca e o adiamento de entregas da Janssen.

Com a AstraZeneca e a Janssen a derraparem nas entregas das vacinas contra a covid-19, Bruxelas vira-se para a Pfizer. A empresa vai antecipar a entrega de mais de 50 milhões de doses este trimestre. A Comissão Europeia já está a negociar um terceiro contrato para a distribuição de quase dois mil milhões de vacinas até 2023.

Um dia depois de a Janssen (a farmacêutica da Johnson&Johnson) ter anunciado a suspensão das entregas aos europeus, a Pfizer entrou de novo em campo e trouxe uma antecipação da entrega de doses previstas.

As 50 milhões de doses da Pfizer não compensam os 55 milhões da Johnson&Johnson, uma vez que esta vacina é de toma única. Mas pode ajudar face aos atrasos.

Ao mesmo tempo, esta antecipação coloca a Pfizer – parceira da alemã BioNTech – como uma espécie de fornecedor de confiança com quem Bruxelas já negocia um terceiro contrato.

Esta quarta-feira, o jornal italiano La Stampa dava conta da intenção da União Europeia não renovar contratos nem com a AstraZeneca nem com a Janssen. A Comissão não confirma e diz que todas as opções estão em aberto. Mas também não esconde a preferência pela tecnologia de mRNA utilizada pela Pfizer.

A aposta nesta farmacêutica não está isenta de alertas: o primeiro-ministro búlgaro mostra-se preocupado com a subida de preços. Se as primeiras doses foram negociadas a 12 euros cada, o preço que está em cima da mesa agora é de 19,50 euros por dose.

  • Confidentes de alunos e cúmplices de professores: o braço contínuo

    País

    Chamam-lhes “funcionários” porque funcionam. A expressão até parece sugerir que eles são os únicos que “funcionam”, dentro de uma escola. Acalmem-se os tolos. Significa apenas que os “assistentes operacionais”, ou “auxiliares de ação educativa”, títulos mais pomposos do que “contínuos” – expressão que estimo muito - são pau para toda a colher.

    Opinião

    Rui Correia

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros