Vacinar Portugal

Vacinação nos 85%: "É um resultado de que devemos todos estar bastante orgulhosos"

Entrevista SIC

Graça Freitas fala sobre a possibilidade da terceira dose e do fim das máscaras.

A diretora-geral da Saúde destaca a conquista alcançada este domingo em Portugal. Segundo dados da task force, Portugal atingiu os 85% da população com pelo menos uma dose da vacina. Em entrevista à SIC Notícias, Graça Freitas destaca a conquista alcançada.

“Hoje [domingo] é de facto um dia importante para todos nós. 85% da população portuguesa tem uma dose da vacina e esse é um resultado de que devemos todos, enquanto povo, estar bastante orgulhos.”

Com a vacinação contra a covid-19 em Portugal praticamente concluída, Graça Freias elogia a postura do vice-almirante Gouveia e Melo na coordenação do processo.

“O senhor vice-almirante tem os seus próprios pontos de vista. Ele também disse – já várias vezes – que, pela sua formação militar, costuma mandar e está numa situação em que tem de negociar. É mesmo isso: as coisas são muitas vezes negociadas e a negociação faz-se com aspetos muito suaves e aspetos menos suaves. Mas não tem sido difícil. O senhor vice-almirante tem um papel importante como coordenador da task force, está à beira de cumprir uma missão que foi muito importante para o nosso país e é isso que nós devemos pensar. Que atingimos uma meta de saúde pública muito importante. A Direção-Geral de Saúde (DGS), o Infarmed, o Instituto Doutor Ricardo Jorge (INSA)e os serviços partilhados do ministério não deixou de fazer o seu papel”, afirma.

► Administração da terceira dose em estudo

Sobre a possibilidade de uma terceira dose, Graça Freitas afirma que é preciso esperar pelo que a ciência diz. A comissão técnica de vacinação, que apoia a DGS está a estudar a eventual necessidade de administrar mais uma dose à população.

“Temos de ver o que é que a ciência nos vai dizendo, como é que é o comportamento da imunidade ao longo do tempo. Nós sempre dissemos que uma das grandes incógnitas da vacinação era não sabermos quanto tempo é que a imunidade durava. E portanto é essa observação é que está a ser feita, em diferentes populações, diferentes grupos etários, com diferentes patologias”, explica a diretora-geral.

Graça Freitas lembra ainda que é preciso esperar por um parecer da Agência Europeia do Medicamento. Esta semana a Pfizer e Moderna apresentara um pedido de aprovação para administração da terceira dose junto do regulador europeu.

“De qualquer maneira estamos a fazer o trabalho de casa de duas frentes: a frente científica, que vai acompanhando toda a evolução, e a frente logística, nós continuamos a adquirir vacinas para um cenário de ser necessário a tal terceira dose ou dose de reforço”, acrescenta.

► Obrigatoriedade de máscara é decisão do Parlamento

Graça Freitas lembra que decidir pela não obrigatoriedade do uso de máscara na rua cabe à Assembleia da República. No entanto, entende que há condições para avançar com a decisão.

“A opinião da DGS é que, com 85% da vacinação, com o que os estudos indicam e no exterior – não tendo essa capacidade de concentrar aerossóis – será uma medida positiva”, afirma remetendo a decisão para os deputados.

“Mas há exceções: é que mesmo ao ar livre, de vez em quando, nós temos ajuntamentos. Creio que, ainda durante este inverno e durante mais algum tempo, é de muito tom andarmos sempre com uma máscara”, acrescenta.

► Veja mais:

  • O planeta em que todos vivemos

    Futuro Hoje

    O Planeta Lourenço terá que ser ainda mais simples e eficaz na mensagem. É um risco. Frequentemente, quando me mostram aparelhos ou programas as coisas falham, é o que chamo de síndrome da demonstração. Mas isto acontece na vida real, é assim que vamos fazer.

    Opinião

    Lourenço Medeiros