Violência em Moçambique

Violência em Moçambique. Recolha de fundos não chega para assistir nos bens básicos

Margarida Loureiro identifica as principais necessidades das pessoas que chegam à capital de Cabo Delgado.

Está a ser difícil recolher fundos monetários para a manutenção das condições básicas dos deslocados de Pemba, em Moçambique, afirma a representante Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados. Margarida Loureiro conta ainda que os refugiados estão a chegar à capital de da província de Cabo Delgado em condições terríveis.

“As pessoas que vêm forçosamente deslocadas, incluindo muitas crianças, chegam em condições terríveis. Estão traumatizadas, feridas, precisam de cuidados médicos urgentes e apoio mental e psicossocial. É de lembrar que muitos viram os seus familiares mortos, tiveram de se esconder durante dias no mato, sem comida nem água, para fugir destes grupos que estão a usar como alvo as comunidades civis”, conta a responsável à Edição da Noite.

A ONU fez um apelo à comunidade internacional para ajudar nesta crise humanitária que se vive em Moçambique, no entanto a resposta não chega para assistir nas bens básicos. “Quando nós apelamos à comunidade internacional, aos doadores internacionais, lembramos que os 254 milhões que pedimos para 700 mil pessoas – para já – não é muito. Só 1% é foi financiado”, afirma.

  • A árdua experiência com a sustentabilidade 

    Mundo

    E se alguém lhe dissesse que passaria a viver num quarto, com eletricidade apenas para pequenos utensílios domésticos, sem aquecimento central, ar condicionado ou água quente. Teria apenas três conjuntos de roupa, sem máquina de lavar ou secar, faria dieta local sem produtos de origem animal e não andaria de automóvel nem de avião?

    Opinião

    João Abegão