Mundo

França "grita" com onda de calor

http://www.meteociel.fr/

Mapa meteorológico tem sido comparado ao quadro "O Grito" de Edvard Munch.

Duas mortes em Espanha, temperaturas recorde em França e um incêndio descontrolado na Catalunha. O calor varre a Europa e mobiliza vários serviços de emergência no quinto dia de uma onda excecional pela sua intensidade.

O cenário vivido pela população francesa acabou por ser retratado pelo próprio mapa metereológico de quinta-feira. A imagem tem sido comparada nas redes sociais à obra "O Grito", de Edvard Munch.

Na cidade de Carpentras, no sul de França, os termómetros registavam 44,3 °C ao início da tarde, um valor que ultrapassou o recorde, registado em 2003 (44,1 °). Nesse ano, a onda de calor fez 15 mil vítimas.

As autoridades francesas ativaram, pela primeira vez, o alerta vermelho em algumas cidades do sul do país, que impõe a mobilização de serviços de emergência e medidas cautelares reforçadas para pessoas mais vulneráveis.

Em Espanha, as temperaturas ultrapassam os 40 graus e já fizeram duas vítimas. Um jovem morreu de insolação e um homem de 93 anos desmaiou na noite de quarta-feira enquanto caminhava pelo centro de Valladolid, revela a AFP.

Maior parte das cidades espanholas estão em alerta, incluindo a Catalunha, onde os bombeiros estão a combater um incêndio que já destruiu mais de seis mil hectares de floresta. O comandante dos bombeiros disse que os picos de calor de 44 graus e os níveis baixos de humanidade estão a complicar os trabalhos.

JAUME SELLART/ EPA

"Uma adaptação necessária"

O Presidente francês Emmnanuel Macron disse esta sexta-feira que este tipo de episódios vão começar a ser mais recorrentes devido ao aquecimento global.

"Temos que mudar a nossa maneira de trabalhar, construir de forma diferente", alertou em Tóquio, defendendo que é necessária uma "adaptação da sociedade e da suas práticas".

Porém, a Organização Mundial da Saúde (OMS) considera "precoce" atribuir a onda de calor ao aquecimento global. Por outro lado, admite que entre 2015-2019 se devem registar os cinco anos mais quentes.

  • Boris Johnson foi alvo de críticas e elogios
    2:35