Mundo

Maioria absoluta para Boris Johnson, Jeremy Corbyn de saída

Dylan Martinez/ REUTERS

É a maior vitória do Partido Conservador desde Margaret Tatcher.

O Partido Conservador garantiu hoje uma maioria absoluta e venceu oficialmente as eleições legislativas britânicas, apesar de a contagem dos votos continuar em curso. Para obter uma maioria absoluta, um partido precisa de vencer em 326 das 650 circunscrições eleitorais, mas, apuradas 613 circunscrições, o partido conquistou 337.

Liderado pelo primeiro-ministro, Boris Johnson, o partido conquistou até agora mais 43 assentos na Câmara dos Comuns do que nas eleições de 2017.

"Parece que ao Governo Conservador foi outorgado um novo e poderoso mandato para a fazer o ‘Brexit', e não só fazer o ?Brexit' mas para unir o país, levá-lo para a frente e focar nas prioridades do país", disse, ao discursar na circunscrição de Uxbridge and South Ruisli, na qual era candidato, após o anúncio da sua reeleição.

O Partido Trabalhista, o principal partido da oposição, pelo contrário, perdeu até agora 56 assentos e elegeu 200 deputados.

O líder, Jeremy Corbyn, admitiu hoje que a derrota é "muito dececionante" e anunciou que pretende renunciar às funções, após conduzir um "processo de reflexão sobre este resultado e sobre as políticas que vai manter no futuro".

A líder dos Liberais Democratas, Jo Swinson, falhou a reeleição como deputada na circunscrição escocesa de Dumbartonshire East por uma margem de 149 votos para Amy Callaghan, do Partido Nacionalista Escocês (SNP).

O SNP já elegeu 46 deputados, mais 13 do que em 2017, enquanto os Liberais Democratas só garantiram oito.

Cerca de 46 milhões de britânicos votaram na quinta-feira nas eleições legislativas antecipadas no Reino Unido, as terceiras em menos de cinco anos, convocadas pelo governo para tentar desbloquear o impasse criado no parlamento pelo processo de saída do país da União Europeia (UE).

A votos estiveram os 650 assentos na Câmara dos Comuns, a câmara baixa do parlamento britânico, aos quais concorreram 3.322 candidatos.

Já esta manhã, Boris Jonhson garantiu que o Brexit vai ficar concluido no prazo previsto, a 31 de de janeiro.

Na primeira declaração pública após a divulgação das projeções, Boris Johnson recorreu ao Twitter para deixar um agradecimento a todos os que votaram, que se voluntariaram e se afirmaram como candidatos.

"Vivemos na melhor democracia do mundo", conclui Johnson.

Jeremy Corbyn foi o primeiro líder a reagir. O dirigente dos trabalhistas deixou um agradecimento especial a todos os apoiantes.

"Prometi que o Partido Trabalhista teria a maior campanha popular que o nosso país alguma vez viu. E vocês, os nossos militantes e apoiantes, fizeram isso mesmo. Vocês são o coração do nosso partido e foram incansáveis em busca da vitória para que possamos construir um futuro mais justo. Agradeço-vos a todos", pode ler-se.

A primeira-ministra escocesa, Nicola Sturgeon, também deixou um agradecimento a todos os que votaram no Partido Nacionalista Escocês:

A co-líder dos Verdes, Sian Berry, também agradeceu a todos os que votaram no partido, que, segundo as projeções, vai ter um lugar no Parlamento.

Nigel Farage, líder do partido do Brexit, não hesitou a chamar para o seu partido os louros da vitória de Boris Johnson.

"Esta vitória de Boris (Johnson) foi enormemente apoiada por nós e é uma solução bem melhor que o marxista Corbyn e um segundo referendo", afirma Farage.

Com Lusa