Mundo

Explosões em Beirute: "É uma cidade muito triste que acordou hoje, mas há fé"

Entrevista a Marta Mendes, portuguesa ferida nas explosões em Beiture.

Duas explosões, uma das quais de grandes dimensões, abalaram na terça-feira a capital do Líbano, Beirute. O último balanço de vítimas dá conta de pelo menos 135 mortos e 5.000 feridos. As autoridades libanesas atribuem a origem da explosão a um armazém com 2.750 toneladas de nitrato de amónio, em Beirute. O Governo do país já declarou estado de emergência.

Marta Abrantes Mendes, portuguesa que acabou por ficar ferida nas explosões, conta que sofreu alguns cortes no rosto porque estava perto de uma janela. Explica que os hospitais estavam numa situação de muita fragilidade, mas que conseguiu receber assistência de uma médica.

Quando se sentiu a primeira explosão, mais leve, pensou que algum alvo do Hezbollah tinha sido atingido, dado as tensões sentidas nos últimos dias no Médio Oriente. Porém, quando a explosão maior abalou Beirute já não sabia em que pensar.

Esta quarta-feira, encontrou uma cidade triste mas com fé: as pessoas já limpavam o lixo das ruas, os estilhaços e ajudavam-se umas às outras. "Os libaneses são um povo muito resiliente", acrescentou Marta.