Desporto

"Os jogadores também têm que exercer a sua cidadania"

O presidente do Sindicato dos Jogadores diz que é preciso uma mudança de paradigma para que casos como o de Marega não se repitam.

Para Joaquim Evangelista do Sindicato dos jogadores a intimidação das claques e de alguns adeptos “não tem lugar no desporto e tem de ser exemplarmente punida".

No domingo, Marega pediu para ser substituído ao minuto 71 do jogo da 21.ª jornada da I Liga, entre o FC Porto e o Vitória de Guimarães, depois de ter sido alvo de cânticos e gritos racistas por parte de adeptos da equipa minhota.

Vários jogadores do FC Porto e do Vitória de Guimarães tentaram demovê-lo, mas Marega mostrou-se irredutível na decisão de abandonar o jogo, numa altura em que os 'dragões' venciam por 2-1, resultado com que terminou o encontro.

Veja também: