Economia

Marcelo pede soluções mais duradouras para a crise dos combustíveis

O Presidente sugere que é preciso falar com potências como a Rússia.

O Presidente da República diz que é preciso uma resposta coordenada da União Europeia para travar os aumentos sucessivos dos combustíveis. Marcelo Rebelo de Sousa sugere que é preciso falar com potências como a Rússia, que têm influência no preço da energia.

“Os governos estão a tentar tomar medidas paliativas que não resolvem o problema de fundo, mas atenuam alguns efeitos, e estão a tentar entender-se a nível da União Europeia. Deviam entender-se a nível de potências da energia, já que há muitas que não são da UE, para ver se encontram soluções mais duradouras”, afirma o Presidente.

Na semana passada, o Governo baixou o imposto sobre os combustíveis, o que, na prática, resultou numa descida de um cêntimo no gasóleo e dois na gasolina. Descidas que acabaram por ser anuladas com a subida, na semana seguinte, do preço dos combustíveis.

Na quarta-feira, o primeiro-ministro afirmou que o Governo iria apresentar até ao final da semana um conjunto de medidas para enfrentar a crise dos combustíveis.

No início da pandemia, em abril do ano passado, o barril de petróleo chegou a mínimos de 21 dólares. A partir daí foi sempre subindo, mas a um ritmo lento, à medida que o mundo se recompunha do efeito dos sucessivos confinamentos.

Começou a acelerar com a abertura das economias e na sexta-feira já ultrapassava os 84 dólares.

Este mês, Portugal tinha a sétima gasolina mais cara da União Europeia. No gasóleo, num mês, Portugal passou de sexto para nono lugar.

VEJA TAMBÉM:

  • Esqueçam o atrás...

    Tenham noção

    O recado de Rodrigo Guedes de Carvalho sobre redundâncias. Tenham noção que dizer ou escrever "há cinco anos atrás", "subir para cima" ou "descer para baixo" é desnecessário.

    SIC Notícias