Coronavírus

Coronavírus: Médicos chineses obrigados a usar fraldas nos turnos longos

China Daily CDIC

Profissionais fazem turnos de oito horas sem poder comer, beber e até urinar.

Os médicos chineses em Whuan, que trabalham na linha da frente no combate ao surto de coronavírus, utilizam fraldas durante os longos turnos, segundo avança esta sexta-feira o New York Post, que cita o South China Morning Post.

"Quando os médicos estão na enfermaria, não podem comer, beber ou ir à casa de banho", disse Han Ding, vice-diretor do Hospital da Faculdade de Medicina de Peking Union, em Wuhan. "Caso precisem de urinar, eles utilizam uma fralda e tomam banho depois do turno", acrescentou.

Para além deste problema, os médicos e enfermeiros também se têm deparado com várias irritações na pele devido ao uso de proteções, nomeadamente, máscaras. Segundo o vice-diretor do hospital, as enfermeiras trabalham em turnos que podem ir até às seis horas e os médicos podem trabalhar até oito horas.

"Os médicos e enfermeiros utilizam os equipamentos de proteção há tanto tempo que já se pode ver as marcas nos rostos deles", revelou Han.

Várias enfermeiras decidiram também rapar o cabelo por questões de higiene hospitalar e para ser mais fácil a retirada e colocação dos equipamentos de proteção. Uma médica de Pequim disse ao Washington Post que se deve ter em mente que os médicos também são humanos e que o surto está a ser muito exigente tanto a nível físico como a psicológico.

Veja também:

Mapa interativo mostra em tempo real os países afetados pelo coronavírus

A Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos, criou, em conjunto com outras entidades, um mapa interativo que permite acompanhar a evolução do coronavírus no mundo.