Coronavírus

Bruxelas propõe rastreios médicos de Covid-19 nas fronteiras e não encerramentos

STEPHANIE LECOCQ

Von der Leyen diz que proibição de viagens tem impactos sociais e económicos negativos.

Especial Coronavírus

A Comissão Europeia propõe que os Estados-membros procedam a rastreios de saúde nas fronteiras para fazer face ao surto de Covid-19, como alternativa ao encerramento das fronteiras, voltando a apelar aos 27 que evitem medidas unilaterais.

Numa conferência de imprensa em Bruxelas, a presidente do executivo comunitário, Ursula von der Leyen, apontou que, "nas últimas horas, tem-se assistido à implementação de proibições de viagens e outros controlos em vários Estados-membros".

Admitindo que "alguns controlos podem ser justificados", sustentou que proibições de viagens generalizadas não são consideradas a medida mais adequada pela Organização Mundial de Saúde" (OMS).

Von der Leyen assumiu discordar da "reintrodução das fronteiras internas [na UE], numa altura em que é necessária a solidariedade entre os Estados-membros".

"Claro que todos queremos proteger os nossos cidadãos da propagação do vírus, mas vamos ver em conjunto como podemos fazê-lo da forma mais eficaz", disse, insistindo que a generalização da proibição de viagens "tem grandes impactos sociais e económicos e provoca disrupções nas vidas das pessoas e das empresas".

Von der Leyen reiterou que "cada medida tomada deve ser proporcional" à situação e que, "para cada medida ser eficaz, precisa de ser coordenada a nível europeu", sendo imperioso que os Estados-membros, "sobretudo os países vizinhos, trabalhem muito de perto".

Adiantou então que a Comissão vai apresentar hoje uma proposta aos 27, no Conselho de ministros do Interior que decorre em Bruxelas (apenas com alguns ministros presentes).

"O que podemos fazer e devemos fazer é proceder a rastreios médicos, que podem ser efetuados nas fronteiras externas, nas fronteiras internas ou dentro do território dos Estados-membros. Por isso é que propomos ter diretrizes a nível da UE para rastreios médicos nas fronteiras. A comissária [dos Assuntos Internos, Ylva] Johansson vai apresentar esta ideia aos ministros", disse.

Von der Leyen falava numa conferência de imprensa que decorre na sede do executivo comunitário, para apresentação de medidas de resposta da UE à crise relacionada com o novo coronavírus, sobretudo no plano económico.

Falando em termos mais gerais, a presidente da Comissão observou que a atual pandemia é um "teste a todos, instituições, governos, sistemas de saúde e economias, mas acima de tudo um teste às pessoas", e apelou à solidariedade e coordenação no seio da União.

A presidente da Comissão reforçou também o apelo para que todos os Estados-membros combatam da forma mais determinada possível a propagação do surto, para a atrasar.

"Estamos só no princípio. Cada Estado-membro, mesmo aqueles que têm hoje muito poucos casos, todos nós temos de saber e entender que não é possível travar o vírus, mas é possível e da maior importância abrandar a propagação do vírus, e isso pode-se fazer", disse, salientando a necessidade de dar aos sistemas de saúde europeus "o tempo e espaço de que necessitam para lidar com o surgimento de novos casos à medida que o vírus se propaga".

O novo coronavírus responsável pela Covid-19 foi detetado em dezembro, na China, e já provocou mais de 4.900 mortos em todo o mundo, levando a Organização Mundial de Saúde a declarar a doença como pandemia.

O número de infetados ultrapassou as 131 mil pessoas, com casos registados em mais de 120 países e territórios, incluindo Portugal, que tem 112 casos confirmados.

Veja também:

  • 2:34
  • 49:03