Coronavírus

OMS em conversações com a Rússia sobre eficácia e segurança da vacina

Potencial vacina contra a Covid-19 da Johnson & Johnson

Johnson & Johnson

Investigadores ocidentais têm dúvidas relativamente à eficácia da vacina.

Especial Coronavírus

O departamento europeu da Organização Mundial de Saúde (OMS) iniciou conversações com a Rússia para obter mais informações sobre a vacina contra o novo coronavírus que o pais aprovou, antes de realizar os habituais testes avançados.

Catherine Smallwood, uma das responsáveis do departamento de emergência sanitária da OMS Europa, afirmou que a organização de saúde está preocupada com a "segurança e eficácia de todas as vacinas em desenvolvimento" e não especificamente em relação à vacina desenvolvia pela Rússia.

Smallwood reconheceu que a OMS estava a adotar uma "abordagem acelerada" para tentar reduzir o tempo de desenvolvimento de vacinas contra a Covid-19, mas defendeu ser "essencial não reduzir a segurança ou eficácia" das mesmas.

A organização começou "conversações diretas" com a Rússia e os funcionários da autoridade mundial de saúde têm partilhado "as várias etapas e informações que serão necessárias para que a OMS faça as suas avaliações".

A Rússia anunciou que já produziu o primeiro lote de vacinas contra o novo coronavírus, que são vistas com ceticismo pelo resto do mundo.

"O primeiro lote da nova vacina contra o coronavírus do Centro de Pesquisa Gamaleïa foi produzido", divulgou o Ministério da Saúde russo em comunicado citado por agências de notícias russas.

O Presidente russo tinha anunciado que uma primeira vacina "bastante eficaz" foi registada pelo Centro de Pesquisa em Epidemiologia e Microbiologia Nikolai Gamaleïa, em Moscovo, em parceria com o Ministério da Defesa russo.

Os investigadores ocidentais lançaram, no entanto, dúvidas sobre o anúncio, tendo alguns argumentado que uma vacina desenvolvida à pressa pode ser perigosa, enquanto a fase final dos testes só começou esta semana.

A pandemia de Covid-19 já provocou pelo menos 781.194 mortos e infetou mais de 22,1 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Na Europa, o maior número de vítimas mortais regista-se no Reino Unido (41.396 mortos, mais de 321 mil casos), seguindo-se Itália (35.412 mortos, mais de 255 mil casos), França (30.468 mortos, mais de 256 mil casos) e Espanha (28.797 mortos, mais de 370 mil casos).

Portugal contabiliza 1.786 mortos em 54.701 casos de infeção.

Veja também: