Mundo

"O Líbano continua a ser um grande ponto de interrogação"

MOHAMED MESSARA

Entrevista a Fernando Nobre, Presidente da AMI, que já esteve no Líbano quatro vezes.

O Líbano está a começar a recuperar das duas fortes explosões sentidas na quarta-feira que devastaram parte da capital Beirute. Segundo o balanço mais recente, registam-se 145 mortos, mais de 5 mil feridos e dezenas de milhares de desalojados.

Fernando Nobre, Presidente da AMI (Assistência Médica Internacional), descreveu esta quinta-feira Beirute como uma metrópole com cerca de dois milhões de pessoas, muito bem estruturada em termos de hospitais, vias de evacuação, autoestradas e com um corpo médico competente.

"É um povo particular, mas muito dinâmico e vai ultrapassar isto como já ultrapassou muito pior", disse o médico, esclarecendo que o cenário não é semelhante ao da guerra civil, tal como foi descrito pelos Médicos Sem Fronteiras.

A AMI tem médicos e enfermeiros disponíveis 24 horas por dia e, se for solicitada pela parceira local, reagirá rapidamente. "É um país que eu gosto, um povo que eu admiro", rematou Fernando Nobre.

  • Marcelo Rebelo de Sousa: aprender a perder para depois ganhar o país

    Presidenciais

    Marcelo Rebelo de Sousa foi um predestinado. Nasceu e cresceu à boleia da ditadura, mas a sua luta foi pela democracia. Parecia não alimentar a vontade de alcançar altos cargos políticos e chegou mesmo a invocar o nome de Deus em vão: "Nem que Cristo desça à Terra!", dizia Marcelo. Declarou também que dez anos como Presidente da República era muito tempo. Mas ei-lo de novo a contrariar-se e a seguir o caminho que já lhe vinha a ser apontado.

    Ana Luísa Monteiro