Mundo

Nobel da Literatura atribuído ao escritor Abdulrazak Gurnah

Romancista nasceu na Tazânia mas vive no Reino Unido, onde chegou como refugiado nos anos 60.

O prémio Nobel da Literatura foi hoje atribuído ao escritor tanzaniano Abdulrazak Gurnah, anunciou a Academia sueca.

O autor foi premiado pelo seu "relato empático e intransigente dos efeitos do colonialismo e do destino dos refugiados presos entre culturas e continentes", segundo o júri.

Abdulrazak Gurnah, de 73 anos, publicou dez romances e vários contos. Os primeiros três livros editados no final dos anos 80 documentam a experiência de um imigrante na Grã-Bretanha contemporânea.

Abdulrazak Gurnah nasceu em 1948 na ilha de Zanzibar, na costa da África Oriental. No final dos anos 60, com 18 anos, exilou-se no Reino Unido, onde se reformou recentemente da Universidade de Kent, onde foi professor de Literatura Inglesa e Pós-Colonial.

É o primeiro autor africano a receber o prémio literário de maior prestígio desde 2003, e o quinto do continente africano.

Apenas uma obra traduzida em Portugal

Autor de obras como "Paradise" (1994) e "Afterlives" (2020), Abdulrazak Gurnah tem apenas um livro editado em Portugal, "Junto ao Mar", pela Difel, em 2003.

Os últimos 10 laureados com o Nobel da Literatura


2020: Louise Glück (Estados Unidos)

2019: Peter Handke (Áustria)

2018: Olga Tokarczuk (Polónia)

2017 : Kazuo Ishiguro (Reino Unido)

2016 : Bob Dylan (Estados Unidos)

2015 : Svetlana Alexievitch (Bielorrússia)

2014 : Patrick Modiano (França)

2013 : Alice Munro (Canadá)

2012 : Mo Yan (China)

2011 : Tomas Tranströmer (Suécia)

Temporada Nobel 2021

Este é o quarto dos Nobel a ser anunciado este ano, depois dos da Medicina, Física e Química.

Amanhã, sexta-feira, é entregue o Nobel da Paz.

O último anúncio será feito no dia 11 de outubro com o vencedor do Nobel da Economia.

Os prémios Nobel nasceram da vontade do cientista e industrial sueco Alfred Nobel (1833-1896) em legar grande parte de sua fortuna a pessoas que trabalhem por "um mundo melhor".

O prémio consiste numa medalha, um diploma e dez milhões de coroas suecas (cerca de 950.000 euros).

Jacquelyn Martin / AP