Eleições Autárquicas

Autárquicas: PS na "posição ingrata" em que "todos lhe batem"

NUNO VEIGA

Opinião é do secretário-geral socialista e primeiro-ministro, António Costa.

O secretário-geral socialista, António Costa, argumentou hoje que o PS está numa "posição ingrata" nesta campanha eleitoral autárquica, em que lhe "todos" lhe "batem", ao invés "de dizerem o que querem fazer pelo país".

Num comício em Évora, esta noite, Costa disse que "o PS é, desde 2013, o maior partido nas freguesias e nos municípios" e, em 2017, "voltou a sê-lo", além de ser "o único partido em Portugal que está presente em todas as regiões do país"

"E é por isso que, nesta campanha autárquica, estamos naquela posição algo ingrata de todos baterem em nós em vez de dizerem o que é que querem fazer pelo país", criticou, dirigindo farpas aos outros partidos políticos.

Segundo o líder socialista, "a realidade" é que, "em cada um dos concelhos, a escolha é sempre uma, ou é o PS e as coligações PSD/CDS-PP ou é o PS e a CDU".

"Mas a escolha é sempre o PS ou algum dos outros", frisou, indicando que as eleições do próximo domingo "são muito importantes", para que o país não saia do "caminho certo".

O "caminho certo" foi iniciado quando, "no final de 2015, virámos a página da austeridade" e foi continuado "quando, a partir de 2017, conseguimos que o país voltasse a convergir com a União Europeia e tivesse finanças públicas saudáveis", afiançou.

"Continuámos no caminho certo mesmo quando tivemos de enfrentar uma terrível pandemia [a de Covid-19] e, ao contrário do que muitos pensavam, não respondemos a esta crise com austeridade", mas antes "com solidariedade", afirmou.

Na sua intervenção, num comício em que também discursou o candidato socialista à presidência da Câmara de Évora, José Calixto, que procura 'destronar' a maioria CDU, António Costa aludiu ainda ao Serviço Nacional de Saúde (SNS).

"Entre 2015 e 2019, nós repusemos no SNS tudo aquilo que o PSD e o CDS tinham cortado. Continuámos a reforçar o SNS em 2020, mal sabíamos nós que a pandemia vinha aí a caminho, e ainda reforçámos mais para responder à pandemia", enumerou.

Esta aposta no reforço do SNS vai continuar, de acordo com António Costa.

"Para nós, o Serviço Nacional de Saúde não nasceu com a pandemia, nem acaba com a pandemia. E é por isso que continuamos a fazer investimentos decisivos para fortalecer o SNS", frisou, dando o exemplo do Hospital Central do Alentejo, em Évora, reivindicado há décadas, que "já está em obra e que deixou mesmo de ser uma ficção".

O Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) marcou presença, mais uma vez, no discurso do secretário-geral socialista, como tem sido habitual nas ações de campanha.

"Eu fico muito perplexo quando vejo os partidos a dizerem que o PRR é uma coisa para servir o grande capital e os interesses de Bruxelas. Não, o PRR é para investirmos na habitação, é para investirmos no transporte público, é para equiparmos os centros de saúde, é para podermos desenvolver uma rede de cuidados continuados integrados", defendeu.

O PRR "é para desenvolver o nosso país e para servir as nossas populações", sublinhou António Costa.

Nestas eleições, além de José Calixto, estão na corrida à Câmara de Évora o presidente do município, Carlos Pinto de Sá (CDU - PCP/PEV), Henrique Sim-Sim (PSD/CDS-PP/MPT e PPM), Raul Rasga (BE), Florbela Fernandes (coligação formada por Nós, Cidadãos!/RIR) e Carlos Magno Magalhães (Chega).

Veja também:

  • Vamos falar de jejum: era capaz de ficar 16 horas por dia sem comer?

    País

    O jejum intermitente é um regime alimentar que impõe um período de restrição alimentar. Existem vários modelos, mas o mais conhecido é dividido em 16 horas de jejum e oito horas em que pode comer livremente. Os especialistas reconhecem benefícios nesta prática, mas afirmam que a investigação científica ainda é escassa.

    Exclusivo Online

    Filipa Traqueia