Coronavírus

Alemanha regista novo máximo de 23.542 novos casos de Covid-19 em 24 horas

PHILIPP GUELLAND

A incidência cumulativa em sete dias é de 140,4 casos por 100.000 habitantes.

Especial Coronavírus

A Alemanha registou um novo máximo de 23.542 novas infeções nas últimas 24 horas, 1.676 mais do que na quinta-feira, e 143 acima do registo de infeções diárias do último sábado, segundo o mais recente balanço.

De acordo com os dados do Instituto Robert Koch (RKI) atualizado na quinta-feira à noite, o total de positivos desde o anúncio do primeiro contágio no país, no final de janeiro, é de 751.095, com 12.200 óbitos, sendo 218 nas últimas 24 horas.

Cerca de 481,7 mil já recuperaram da doença e o número de casos ativos é de cerca de 257,2 mil, estima o RKI.

Na Alemanha, a incidência cumulativa em sete dias é de 140,4 casos por 100.000 habitantes.

Na quinta-feira, o presidente do RKI, Lothar Wieler, foi "cautelosamente otimista" diante do aumento menos agudo de novas infeções nos últimos dias, que apontavam para um certo achatamento da curva, embora tenha esclarecido que ainda não se sabia se era uma "evolução estável".

Em comparação com a sexta-feira da semana passada, as novas infeções aumentaram 9%, enquanto uma semana antes tinham crescido 14% em sete dias, destaca o jornal "Bild".

O fator de reprodução (R) que considera as infeções num intervalo de sete dias em relação aos sete anteriores, e que reflete a evolução de 8 a 16 dias atrás, é 0,93.

O número de pacientes em unidades de cuidados intensivos chega a 3.186, dos quais 1.813 recebem ventilação assistida, segundo dados da Associação Alemã Interdisciplinar de Terapia Intensiva e Medicina de Emergência (DIVI) atualizados na quinta-feira.

Atualmente, 21.930 camas de cuidados intensivos estão ocupadas.

Wieler alertou na quinta-feira que agora metade dos hospitais alemães já relatou "disponibilidade ou indisponibilidade limitada" para cuidar de pacientes gravemente doentes, principalmente por falta de espaço e pessoal especializado.

Na próxima segunda-feira, a chanceler Angela Merkel vai reunir-se novamente com os chefes de governo dos estados federais para fazer uma primeira avaliação da eficácia do confinamento parcial em vigor desde o dia 02 de novembro e avaliar se as novas restrições são suficientes para desacelerar a evolução da pandemia.

Mais de 1.28 mortos em mais de 52,1 milhões de casos de Covid-19 no mundo

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.285.160 mortos em mais de 52,1 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Portugal com 3.181 mortes e 198.011 casos de Covid-19

A Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou no boletim diário desta quinta-feira que há mais 78 mortes e 5839 novos casos de Covid-19 em Portugal, sendo este o segundo pior dia em número de mortes e novos casos no país.

No total, Portugal regista 3181 vítimas mortais e 198.011 infetados pelo novo coronavírus, desde o início da pandemia.

Nas últimas 24 horas estão menos 8 doentes internados nas Unidades de Cuidados Intensivos, totalizando 383. Em relação aos internamentos em enfermaria estão 2794 pessoas internadas, mais 9 do que na quarta-feira.

A DGS revela que estão ativos 81.141 casos de infeção, mais 2425 do que na quarta-feira. Foram dados como recuperadas mais 3336 pessoas, totalizando 113.689 desde o início da pandemia.

Avanços na vacina e tratamento contra a Covid-19

Na segunda semana de novembro várias boas notícias foram chegando sobre os avanços no desenvolvimento de uma vacina contra o SARS-CoV-2 bem como um tratamento novo.

► A farmacêutica norte-americana Pfizer anunciou na segunda-feira que a sua vacina contra a Covid-19 alcançou 90% de eficácia nos testes.

► Nesse mesmo dia 9 de novembro, o porta-voz do ministro da Saúde da Rússia veio assegurar que a vacina que está a ser desenvolvida no país - a Sputnik V - tem uma taxa de eficácia superior a 90% e no dia seguinte Putin garantiu que "todas as vacinas russas contra a Covid-19 são eficazes"

► Ainda nesse dia, o ensaio clínico da potencial vacina CoronaVac da chinesa Sinovac foi suspenso no Brasil devido a "efeito adverso grave.", embora a empresa chinesa reafirme a confiança no produto, indicando que o efeito secundário não está relacionado com a vacina. Os testes foram retomados no dia 11.

► Na quarta-feira, a vice-Presidente russa anunciou que os testes clínicos da segunda vacina russa contra a Covid-19, a EpiVacCorona que está a ser desenvolvida pelo Instituto Vector, vão começar a 15 de novembro,

► Ainda na segunda-feira, mas já terça em Portugal, a agência norte-americana do medicamento (FDA) deu uma autorização de utilização de emergência e temporária de um medicamento experimental para a Covid-19 fabricado pela Eli Lilly, mas apenas para doentes com sintomas ligeiros ou moderados e não para hospitalizados a necessitar de oxigénio.

O tratamento experimental com anticorpos sintéticos é o primeiro especificamente desenvolvido para o novo coronavírus.

Links úteis

Mapa com os casos a nível global