Coronavírus

Costa admite novas restrições para travar aumento de casos de covid-19

"Não hesitaremos, como não hesitámos no passado, em tomar as medidas necessárias para proteger a saúde e a vida dos portugueses", disse o primeiro-ministro.

Saiba mais...

O primeiro-ministro admite que está preocupado com o aumento de casos de covid-19 em Portugal. António Costa diz, no entanto, que não prevê adotar medidas tão restritivas como nas vagas anteriores.

Questionado pelos jornalistas durante uma visita a uma escola em Rio Maior, o chefe de Governo não recusou a ideia de avançar com novas restrições para travar o aumento de novos casos de covid-19.

"Não hesitaremos, como não hesitámos no passado, em tomar as medidas necessárias para proteger a saúde e a vida dos portugueses", disse António Costa.

O primeiro-ministro considerou, no entanto, que não antevê a necessidade de um novo estado de emergência.


"Não antecipo, sinceramente, que tenhamos que adotar medidas que impliquem um estado de emergência", afirmou António Costa, sublinhado que se tal for necessário "o Parlamento, mesmo dissolvido, mantém medidas de fiscalização da atuação do Governo" que permitem a tomada novas medidas "à luz da legislação atual".


O primeiro-ministro admitiu "preocupação" pela evolução do número de infetados pelo novo coronavírus", mas vincou não considerar "previsível que se tenham que tomar outra vez medidas com a dimensão" que tiveram no passado, dado a vacinação ter "não só tem diminuído muito a taxa de incidência" como, sobretudo ter "assegurado também que mesmo as pessoas que são infetadas o são de forma menos gravosa".


António Costa falava em Rio Maior, no distrito de Santarém, à margem das comemorações do Centenário de José Saramago.

SAIBA MAIS

ESPECIAL CORONAVÍRUS