Qatar 2022

Mundial 2022: Qatar diz que é desnecessário fundo específico para indemnizar trabalhadores

Mundial 2022: Qatar diz que é desnecessário fundo específico para indemnizar trabalhadores
Hassan Ammar
Qatar já está a indemnizar famílias dos trabalhadores migrantes que morreram ou ficaram feridos nas obras para o Mundial.

O ministro do Trabalho do Qatar, Ali Bin Samikh Al Marri, defendeu, esta segunda-feira, que o seu país já está a indemnizar as famílias dos trabalhadores migrantes que morreram ou ficaram feridos nas obras para o Mundial2022 de futebol.

Em Bruxelas, na subcomissão de Direitos Humanos do Parlamento Europeu, Al Marri considerou que não é necessário um fundo específico para essas indemnizações, como é reclamado por diversas organizações de direitos humanos.

Al Marri esteve no Parlamento Europeu para participar no debate sobre as condições laborais dos trabalhadores migrantes naquele país do Médio Oriente, na década anterior ao Mundial, depois de uma investigação do jornal inglês The Guardian ter calculado em 6.500 os mortos desde 2010.

Para o ministro do Qatar, trata-se de "um dever ético" compensar as vítimas migrantes, mas disse estar contra o fundo sugerido por um conjunto de organizações de direitos humanos, que pedia 440 milhões de dólares (425 milhões de euros) para o conjunto das indemnizações.

O governante reafirma que o país já tem mecanismos para isso e que desde 2018 foram desembolsados 350 milhões de dólares de compensação (cerca de 338 milhões de euros), pelo que instou as organizações de direitos humanos a "dar nomes" de pessoas que não tenham recebido.

A representante da Human Rights Watch no debate, Minky Worden, diretora de Iniciativas Globais, retorquiu dizendo que tem os nomes de muitas famílias de trabalhadores mortos que enfrentam problemas porque os 350 milhões de dólares referidos foram apenas para salários não pagos.

Minky Worden considerou que "qualquer diálogo sobre o legado" do Mundial no país "é questionável, sem uma compensação retroativa", apesar do "impulso positivo" do torneio na legislação laboral.

Para Al Marri, os números que têm sido divulgados sobre trabalhadores mortos trata-se de "desinformação", tendo pedido que se considerasse apenas os da Organização Internacional do Trabalho, cujo mais recente relatório aponta para 50 mortos e 500 feridos, em 2020.

Críticas

Por outro lado, classificou de "racistas" e "discurso de ódio" algumas posições contrárias à realização do Mundial no Qatar e assegurou que, assim que termine o torneio, que se realiza entre 20 de novembro e 18 de dezembro, o país seguirá com o caminho da reforma laboral iniciado há anos.

"Estou certo de que há problemas na implementação das reformas. Foram feitas num curto período de tempo, pelo que é natural que encontremos dificuldades", disse.

A representante da Human Rights Watch criticou ainda o facto de o Qatar receber o Mundial sem que a FIFA tenha examinado as denúncias a nível de direitos humanos e sem garantir as condições dos trabalhadores migrantes.

"As autoridades não investigaram as mortes de milhares de trabalhadores migrantes, muitas das quais foram consideradas naturais. A tragédia é que, nesses casos, de acordo com a legislação do Qatar, as famílias não são compensadas", disse Minky Worden.

As medidas sugeridas pelas autoridades de Doha eram um seguro de vida, não obrigatório e apenas desde 2019, acusou a representante da Human Rights Watch.

A representação no debate da Organização Internacional do Trabalho e da Confederação Internacional de Sindicatos sublinhou os "progressos tangíveis" que o Qatar desenvolveu no plano laboral, nos últimos anos, se bem que com "deficiências" na implementação.

Últimas Notícias