Mundo

Controlo do Senado dos EUA pode ficar dependente da Geórgia

Controlo do Senado dos EUA pode ficar dependente da Geórgia
Gregory Bull

Os candidatos ao Senado pela Geórgia vão defrontar-se numa segunda volta, que foi marcada para dezembro.

O controlo do Senado dos Estados Unidos poderá ficar, de novo, dependente da segunda volta das eleições intercalares na Geórgia, que oporá o candidato Democrata Raphael Warnock contra o Republicano Herschel Walker.

Há dois anos, quando em simultâneo com as eleições presidenciais também se disputavam alguns lugares para o Senado, recaiu igualmente sobre o estado da Geórgia o controlo da câmara alta do Congresso, que acabou por ficar nas mãos dos Democratas, com um empate a 50 lugares e o desempate da vice-Presidente Kamala Harris.

Este ano, é possível que o equilíbrio de poder do Senado fique novamente nas eleições para um dos dois lugares na Geórgia, a menos que um dos partidos vença ambas as outras disputas pendentes para a câmara alta - no Arizona e no Nevada.

Esta situação acontece porque no estado da Geórgia as regras eleitorais (que não são as mesmas nos 50 estados norte-americanos) determinam que um candidato apenas pode ser eleito se obtiver mais de 50% dos votos. A existência de um terceiro candidato - o libertário Chase Oliver, que teve 2,1% dos votos nas eleições de terça-feira - impediu Walker ou Warnock de terem a metade mais um dos votos.

Nos resultados finais, os dois candidatos ficaram separados por menos de um ponto percentual, com Warnock um pouco à frente. Estes dois candidatos terão de ir a uma segunda volta, que está marcada para 6 de dezembro.

As regras para a segunda volta não diferem das que se aplicaram para as eleições da passada terça-feira, incluindo a possibilidade de deposição de voto antecipado, presencial ou por correspondência, que começa em 28 deste mês.

Esta será a segunda vez que Warnock disputa uma segunda volta, tendo já estado envolvido nessa situação em 5 de janeiro de 2021, tendo a sua vitória contribuído para o controlo do Senado por pelos democratas. Se, mais uma vez, a Geórgia vier a decidir o controlo do Senado, é expectável que os pesos-pesados dos dois partidos participem nessa campanha, tornando-as mediaticamente ainda mais relevantes.

Neste momento, os Republicanos têm fortes probabilidades de vencerem a maioria na câmara de representantes, tendo já garantidos 209 lugares dos 435, contra apenas 191 dos Democratas. No entanto, todos os cenários ainda estão em aberto.

A grande aposta dos Democratas é garantir que não perdem também o controlo do Senado, onde os republicanos já têm 49 lugares dos 100 garantidos, estando em aberto três lugares (um em cada estado por decidir, Arizona, Geórgia e Nevada).

Últimas Notícias
Mais Vistos