País

Constança vai ser uma das doentes com fibrose quística a receber Kaftrio

O Infarmed aprovou os 14 pedidos de utilizações especiais do medicamento.

Há uma nova esperança para a jovem Constança Braddell, que está internada no hospital Pulido Valente, a aguardar um transplante pulmonar: o Infarmed aprovou o medicamento Kaftrio para utilização especial. Por fazer parte do Programa de Acesso Precoce, Constança será uma das cinco doentes mais prementes a beneficiar gratuitamente do Kaftrio, já aprovado pela Agência Europeia do Medicamento.

Constança Braddell faz parte dos doentes que, em breve, poderão começar a receber o medicamento que o hospital de Santa Maria já usa há um mês em doentes elegíveis. Mas ainda não há acesso generalizado.

A jovem de 24 anos sofre de fibrose quística desde bebé. É aliás, no rastreio neo-natal que se detetam 90% dos casos desta doença genética, hereditária, degenerativa, rara e progressiva que afeta 375 portugueses

A aprovação do Infarmed ao medicamento Kaftrio e à sua utilização em pedidos de utilização especial, é uma luz verde para 14 doentes, seis deles pertencentes ao Centro Hospitalar Universitário de Lisboa Norte. Os restantes pertencem ao hospital de São João, no Porto, e ao Centro Hospitalar Universitário de Coimbra.

Constança faz parte dos 120 doentes que têm características para o medicamento inovador e em breve poderá iniciar o tratamento com Kaftrio. Este fármaco de custo muito elevado – cada caixa de comprimidos custa 15 mil euros –, não é a única solução, mas melhora bastante a qualidade de vida dos doentes com fibrose quistica.

À SIC, a família de Constança agradece todo o apoio e diz que, para já, vai guardar a verba alcançada através do apelo recente feito nas redes sociais, “até ter a certeza de que o custo do medicamento será garantido a 100% pelo SNS no tratamento da jovem, de forma contínua e extensiva, e não só durante quatro meses”.

Se não vierem a ser necessários os 203 mil euros angariados, suficientes para um ano de tratamento, os familiares da Constança Braddell dizem que “servirão para ajudar outros casos prementes e os cinco Centros de Referência de Fibrose Quística em Portugal”.