País

Acidente com carro de Eduardo Cabrita. Carlos César acusa oposição de aproveitamento

"Não se pode tratar de um evento politizável", reforça o presidente do PS.

Um dia após o ministro da Administração Interna ter pela primeira vez quebrado o silêncio a respeito do acidente com o carro onde viajava, o presidente do PS disparou sobre a oposição.

"Não se pode tratar de um evento politizável e utilizado para tentar daí retirar vantagens políticas", acrescentando que é "imoral" tirar proveito da situação.

Perante a crítica, Rui Rio garante que "o presidente do PS não está seguramente a falar do PSD. Concorda com Carlos César que é "imoral tirar vantagens políticas do desastre que houve com o carro do ministro da Administração Interna".

César acusa quem pediu responsabilidades políticas.

"É fazer críticas a um ministro com base num incidente, da qual resultou uma morte e na qual, evidentemente, o ministro não pode estar envolvido, enquanto titular do cargo político".

Rui Rio voltou a lembrar este sábado que o carro onde se deslocava o ministro da Administração Interna, não estava registado. O líder do PSD apelou também à existência de um relatório que diga "exatamente como as coisas aconteceram", nomeadamente, "a velocidade a que o carro circulava".

O presidente social-democrata aproveitou para deixar uma crítica relativamente às explicações dadas pelo ministro Eduardo Cabrita, "devia ter sido há mais tempo", reforça.

No mesmo dia em que o primeiro-ministro garante ao jornal Público, que não tem prevista nenhuma remodelação do Governo, António Costa defende a longevidade dos ministros.

“o primeiro-ministro é que sabe o momento em que deve substituir os ministros, é da inteira responsabilidade dele. Há depois situações, que se vão arrastando e, se o primeiro-ministro insiste em não fazer a mudança, passa a ser ele o responsável político direto por aquilo que acontece nesse ministério”, defendeu Rui Rio.

António Costa encontra-se em isolamento profilático desde quarta-feira. Voltará ao trabalho na segunda-feira, que marca o 6.º dia de confinamento.

Veja também:

  • Merkel: mãe e verbo da Alemanha moderna

    Angela Merkel

    Carinhosamente chamada pelos alemães de "Mutti" (mãe), protagonizou um estilo único de fazer política na Alemanha. Não era uma grande oradora, nem fazia discursos inspiradores, mas a postura pragmática valeu-lhe respeito e admiração. "Merkeln" passou a ser verbo na Alemanha, em alusão à forma como a chanceler toma decisões.

    Ana Luísa Monteiro