Coronavírus

EMA diz que ainda é cedo para determinar se é necessária 3.ª dose da vacina contra a covid-19

RODRIGO ANTUNES / LUSA

Pfizer tinha pedido autorização para uma dose de reforço.

Saiba mais...

A Agência Europeia de Medicamentos disse hoje que é muito cedo para determinar se são necessárias mais do que as duas injeções atualmente administradas para a maioria das vacinas contra a covid-19.

A EMA refere ainda estar confiante de que o protocolo estabelecido é suficiente.

A Pfizer e a parceira BioNTech divulgaram esta quinta-feira a intenção de pedir aos reguladores dos EUA e da Europa que autorizem uma dose de reforço, para melhorar a eficácia contra a variante Delta.

Novo recorde na vacinação em Portugal: 158 mil doses administradas num dia

Portugal alcançou esta quinta-feira um novo recorde do número de vacinas contra a covid-19 administradas: 158.000 doses administradas num dia.

Durante esta semana têm sido alcançados os valores mais elevados de administração de vacinas, tendo na segunda-feira sido administradas 141.500 doses, na terça-feira 154.600, perfazendo um total de mais de 611 mil pessoas vacinadas em quatro dias.

Vacinas contra a covid-19: as que estão a ser usadas e as que estão a caminho

Em menos de um ano desde que foi declarada a pandemia foram desenvolvidas várias vacinas em laboratórios por todo o mundo. A primeira vacina a obter autorização de emergência para inoculação foi a da Pfizer e BioNTech. O Reino Unido foi o primeiro país a aprovar esta vacina e a iniciar a campanha de vacinação, em dezembro de 2020.

Ultrapassados os 4 milhões de mortos no mundo

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 4.013.756 de mortos em todo o mundo, resultantes de mais de 185.508.430 de casos de infeção pelo novo coronavírus, segundo o balanço mais recente feito pela agência France-Presse.

Os países com o maior número de mortos são os Estados Unidos, o Brasil, Índia, México, Rússia e França.

A covid-19 é uma doença respiratória causada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2 detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

A grande maioria dos pacientes recupera, mas uma parte evidencia sintomas por várias semanas ou até meses.

Links úteis

Mapa com os casos a nível global