Coronavírus

Covid-19. OMS alerta que vacinação não será generalizada antes de meados de 2021

Potencial vacina contra a Covid-19 da Johnson & Johnson

Johnson & Johnson

A porta-voz da OMS explica que a fase 3 dos testes poderá "levar mais tempo".

Especial Coronavírus

A Organização Mundial de Saúde disse esta sexta-feira que a vacinação para a covid-19 não será generalizada antes de meados do próximo ano. A principal razão prende-se com a eficácia e segurança comprovada da vacina.

"Não esperamos uma vacinação generalizada até meados do próximo ano", disse a porta-voz Margaret Harris aos jornalistas numa conferência de impresa em Genebra.

A porta-voz da OMS explica que a fase 3 dos testes poderá "levar mais tempo", por ser necessário "ver se a vacina é realmente protetora".

OMS pede cautela no uso de emergência de vacinas

A Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu esta segunda-feira cautela no uso de emergência de vacinas para a covid-19, recordando que têm de possuir uma eficácia mínima de 30 por cento.

Segundo a cientista-chefe da OMS, Soumya Swaminathan, o uso de emergência de uma vacina tem de ser ponderado "com cautela" e "caso a caso", tendo em conta a sua eficácia e segurança.

De acordo com a responsável, "a aprovação prematura de uma vacina", sem todos os estudos adequados finalizados, pode implicar que essa vacina tenha "baixa eficácia, não funcione ou tenha um perfil de segurança inaceitável".

A OMS está a trabalhar em conjunto com especialistas sobre os critérios de segurança e eficácia para aprovação de uma vacina para a covid-19.

A cientista-chefe da OMS recordou que uma vacina para a covid-19 terá de possuir uma "eficácia mínima" de 30%.

"Idealmente, não queremos que uma vacina com menos de 30% de eficácia seja aprovada", frisou.

Vacina contra a Covid-19. Produção e testes decorrem em simultâneo

A vacinação é vista como a única forma de parar a propagação da Covid-19. Até dezembro, Portugal pode receber quase 700 mil vacinas, mas sem mexer na lei dificilmente se pode obrigar alguém a tomar a vacina.

Em fábricas de todo o mundo, dia e noite, as máquinas não param. A vacina contra a Covid-19 ainda não está totalmente testada mas as fábricas já produzem milhões de doses por dia.

Se os ensaios falharem, vão para o lixo. Mas se tiverem sucesso, como se espera, haverá milhões de doses para distribuir assim que a Agência Europeia do Medicamento aprovar a vacina.

União Europeia contribui com 400 milhões de euros para financiar vacina

A Comissão Europeia anunciou esta segunda-feira a sua adesão à COVAX, uma iniciativa global que pretende tornar equitativo o acesso a uma vacina para a covid-19, prometendo mobilizar 400 milhões de euros para esse objetivo.

"A Comissão Europeia confirmou hoje o interesse em participar no mecanismo COVAX para um acesso equitativo e universal a vacinas contra a covid-19 a preços acessíveis para todos os que delas necessitem. No quadro do esforço da Equipa Europa, a Comissão também anuncia hoje uma contribuição de 400 milhões de euros em garantias", informa o executivo comunitário em nota de imprensa.

CENTRO EUROPEU DE DOENÇAS PREVÊ QUE VACINA SÓ CHEGUE NO INÍCIO DE 2021

O Centro Europeu para Prevenção e Controlo das Doenças estima que, na melhor das hipóteses, a vacina para a covid-19 chegará no início de 2021, mas frisa que a Europa "está muito mais bem preparada" do que há seis meses.

"É muito difícil prever, mas provavelmente só teremos [uma vacina] no início do próximo ano, na melhor das hipóteses e assumindo que os ensaios clínicos têm resultados positivos em termos de eficácia e de segurança", declara em entrevista à agência Lusa o chefe-adjunto do programa de doenças do Centro Europeu para Prevenção e Controlo das Doenças (ECDC), Piotr Kramarz.

Reuters Photographer

Vacina da AstraZeneca entra na última fase de testes nos Estados Unidos

A farmacêutica britânica AstraZeneca informou na segunda-feira que iniciou nos Estados Unidos a fase 3 dos testes à vacina contra a Covid-19, a última fase antes de receber a aprovação das autoridades regulatórias.

Para isso, a empresa está a recrutar cerca de 30 mil adultos com idade igual ou superior a 18 anos, de grupos étnicos e geográficos diferentes, saudáveis ou com condições médicas preexistentes, mas controladas, incluindo por exemplo doentes com VIH, mais vulneráveis ao SARS-CoV-2.

Segundo a CNN, os participantes irão receber duas doses, que podem ser ativas ou apenas placebo, com um intervalo de quatro semanas.

Atualmente, a vacina da AstraZeneca já se encontra na fase 3 dos testes também no Reino Unido, Brasil e África do Sul e há planos para que avançe também no Japão e na Rússia.

Reuters Photographer

Pfizer inicia ensaio clínico de potencial vacina para a Covid-19 com quase 30 mil participantes

A farmacêutica norte-americana Pfizer e a biotecnológica alemã BioNTech anunciaram a 5 de agosto que iniciaram um ensaio clínico de uma potencial vacina para a covid-19 envolvendo cerca de 30 mil participantes

O ensaio de fase 2/3, que antecede o pedido de autorização de comercialização, começou nos Estados Unidos, refere em comunicado a Pfizer.

Os testes clínicos envolverão cerca de 30 mil adultos, entre os 18 e os 85 anos, recrutados por quase 120 centros, nenhum deles de Portugal, indicou à Lusa a filial portuguesa da multinacional farmacêutica norte-americana, que espera obter resultados de eficácia e segurança sólidos em finais de agosto ou no início de setembro.

Caso a vacina candidata se revele eficaz e segura para prevenir a covid-19, uma doença respiratória infecciosa causada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, a Pfizer e a BioNTech "irão submeter o pedido de avaliação às autoridades regulamentares" do medicamento em outubro.

EUA preparam vacinação de grupos de risco

Todos os estados norte-americanos foram informados para se prepararem para vacinar contra o novo coronavírus.

A data avançada oficialmente pelo centro de controle de doenças levanta dúvidas políticas.

A vacinação pode acontecer antes das eleições presidenciais, que opõem Donald Trump ao democrata Joe Biden.

Veja aqui as vacinas mais promissoras no combate à Covid-19