Coronavírus

Ministra da Saúde convoca ministros da UE para reunião de urgência sobre vacina AstraZeneca

RODRIGO ANTUNES

Ministros da Saúde da UE reúnem-se por videoconferência após apresentação das conclusões da EMA sobre efeitos secundários da vacina.

Saiba mais...

A presidência portuguesa do conselho da UE agendou uma reunião de urgência dos ministros da Saúde, por videoconferência, para debater as conclusões dos peritos sobre os eventuais riscos associados à vacina AstraZeneca contra a covid-19.

A reunião do Conselho da União Europeia (UE), marcada para as 18:00 (17:00 de Lisboa) e presidida pela ministra da Saúde, Marta Temido, decorre na sequência do anúncio "das conclusões do Comité de Avaliação de Risco em Farmacovigilância (PRAC, na sigla inglesa)" sobre a possível ligação da vacina da AstraZeneca e problemas de formação de coágulos sanguíneos.

EMA apresenta hoje conclusões sobre efeitos secundários da vacina da AstraZeneca

A Agência Europeia de Medicamento (EMA) vai pronunciar-se hoje sobre a possível relação entre a vacina contra a covid-19 da AstraZeneca e a formação de coágulos sanguíneos, anunciou a organização.

A conferência de imprensa online está agendada para as 14:00 GMT (15:00 em Lisboa) e terá como tema "a conclusão do exame ao alerta" lançado sobre esta vacina em relação aos "casos de trombose", afirmou em comunicado o regulador europeu, com sede em Amesterdão.

Dúvidas sobre os efeitos secundários

A vacina AstraZeneca / Oxford. tem suscitado algumas dúvidas e receios sobre possíveis efeitos secundários graves, mas raros, após a observação de coágulos sanguíneos em pessoas inoculadas com esta vacina.

Já foram identificados dezenas de casos, alguns dos quais resultaram em mortes. No Reino Unido, houve 30 casos e 7 mortes de um total de 18,1 milhões de doses administradas até 24 de março.

A 18 de fevereiro a EMA garantiu que a vacina da Oxford/AstraZeneca pode ser administrada a maiores de 65 anos

A 31 de março, a Agência Europeia de Medicamentos (EMA) informou que já tinham sido administradas na União Europeia mais de 9,2 milhões de doses da vacina da AstraZeneca, acrescentando que “não está provado nexo causal com a vacina, mas é possível”, sublinhando que os benefícios da vacinação contra o novo coronavírus ainda superam os riscos.

Por precaução, vários países suspenderam a administração da vacina abaixo de certa idade, como França, Alemanha, Países Baixos, Canadá. A Noruega e a Dinamarca suspenderam totalmente seu uso por enquanto.

Portugal chegou a suspender mas já retomou a inoculação. A Direção-geral da Saúde autorizou a inoculação das pessoas nesta faixa etária a 10 de março de 2021.

A 6 de abril, um responsável da EMA veio afirmar que há uma ligação entre a vacina da AstraZeneca e os coágulos sanguíneos e, no mesmo dia, a OMS reafirmou que os benefícios da vacina da AstraZeneca superam os riscos

A AstraZeneca tem garantido que não há “indícios de risco agravado” e assegurou no final de março que "a segurança do paciente é a principal prioridade”.

LIGAÇÃO DA ASTRAZENECA A COÁGULOS SANGUÍNEOS. "SÃO POUCAS DEZENAS EM MILHÕES DE DOSES ADMINISTRADAS"

Miguel Prudêncio, investigador do Instituto de Medicina Molecular da Universidade de Lisboa, alerta que as declarações do responsável pela estratégia de vacinação na Agência Europeia de Medicamentos (EMA), em que assume que há ligação entre a vacina da AstraZeneca e casos de tromboembolismos, não são uma conclusão definitiva nem oficial do regulador.