País

Rui Rio volta a acusar Costa de oportunismo com críticas à Galp

O primeiro-ministro voltou a falar sobre a situação esta quarta-feira.

Rui Rio acusa António Costa de oportunismo por estar a abordar a situação da refinaria de Matosinhos a dias das eleições autárquicas. O líder do PSD considera que o Governo deveria ter negociado com a GALP para proteger os trabalhadores.

Costa diz que a "lição" à Galp é defender quem foi despedido


Num artigo de opinião assinado esta quarta-feira no jornal Público, o primeiro-ministro pretende esclarecer o que disse em maio na Cimeira Social no Porto e agora, em Matosinhos.

Costa garante que a opinião não mudou e que foi coerente, que a Galp "é um exemplo de escola de tudo aquilo que não deve ser feito por uma empresa responsável" e critica a data do anúncio do encerramento, antes do Natal.

GALP FECHOU REFINARIA DE MATOSINHOS A 30 DE ABRIL

A Galp desligou a última unidade de produção da refinaria de Matosinhos em 30 de abril, na sequência da decisão de concentrar as operações em Sines.

A petrolífera justificou a "decisão complexa" de encerramento da refinaria com base numa avaliação do contexto europeu e mundial da refinação, bem como nos desafios de sustentabilidade, a que se juntaram as características das instalações.

O encerramento da refinaria de Matosinhos, em abril, representa perdas de 5% do PIB em Matosinhos e de 1% na Área Metropolitana do Porto, segundo um estudo socioeconómico a que a Lusa teve acesso.

O estudo, encomendado pela Câmara Municipal de Matosinhos à Universidade do Porto para avaliar os impactos socioeconómicos do fecho do complexo petroquímico no concelho, traça um "cenário particularmente grave" para a região Norte e para o país, caso não seja dado qualquer destino àquela instalação industrial.

O Estado é um dos acionistas da Galp, com uma participação de 7%, através da Parpública.

VEJA TAMBÉM: