Vacinar Portugal

Portugal mantém administração da vacina da Johnson & Johnson

Autoridades de Saúde sublinham que benefícios superam os riscos.

Portugal mantém a administração da vacina da Janssen/Johnson & Johnson. Tal como acontece com a da AstraZeneca, ambas as vacinas estão em contínua avaliação e novos dados serão anunciados na sexta-feira.

Após o regulador europeu reiterar a confiança na vacina, com a ressalva para a "possível" ligação com a formação de coágulos no sangue, cabe agora aos vários países definir as recomendações para a administração da vacina da Johnson & Johnson.

Salientando o risco/benefício, que "permanece positivo", e os efeitos secundários raros, as autoridade de saúde portuguesas mantêm a utilização das duas vacinas, avançou a ministra da Saúde.

"Em relação à Janssen/Johnson&Johnson, vamos analisar os documentos da EMA e adaptar à realidade nacional", referiu Marta Temido. "Neste momento não há qualquer restrição para o grupo etário dos 70 anos", o grupo que está a ser atualmente vacinado, explicou.

Esta sexta-feira serão fornecidas novas informações sobre esta vacina, nomeadamente sobre se existirão restrições de acordo com a faixa etária, avançou a ministra em conferência de imprensa onde foi feito o balanço dos 120 dias do plano de vacinação.

"É cedo para tirar conclusões". EMA continua a investigar coágulos mas mantém confiança na vacina da Johnson & Johnson

A Agência Europeia de Medicamentos diz que há uma possível ligação entre a vacina Johnson & Johnson e os oito casos de coágulos sanguíneos, mas continua a considerar que os benefícios superam os riscos.

O parecer é em tudo semelhante ao que já tinha sido emitido pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA) sobre a vacina da AstraZeneca.

Portugal já tem mais de 31 mil doses armazenadas desta vacina de toma única, que pode agora ajudar a acelelar o processo de vacinação m Portugal.

Atualmente há quatro quatro vacinas aprovadas na Europa: da Pfizer/BioNTech, da Moderna, da AstraZeneca e agora da Johnson & Johnson.

Vacina da Johnson & Johnson sob investigação na UE e EUA

A vacina contra a covid-19 da Johnson & Johnson/Janssen está a ser alvo de uma investigação pela Agência Europeia de Medicamentos por suspeita de provocar coágulos sanguíneos, a mesma suspeita (já quase uma certeza) que recai sobre a da Oxford/AstraZeneca.

Autorizada pela EMA a 11 de março passado, esta vacina de dose única ainda não está a ser administrada em nenhum Estado-membro da UE.

A Janssen anunciou que, por sua iniciativa, iria atrasar a distribuição do fármaco na Europa devido à suspensão preventiva da sua administração nos Estados Unidos.

A EMA já afirmou que considera que os benefícios da vacina da Janssen superam os riscos, após casos de coágulos sanguíneos nos Estados Unidos, mas avançou com uma investigação à relação que possa exisitr entre esta vacina e coágulos.

A 20 de abril, a EMA reiterou a confiança nesta vacina.

Vacinas contra a covid-19: as que estão a ser usadas e as que estão a caminho

Em menos de um ano desde que foi declarada a pandemia foram desenvolvidas várias vacinas em laboratórios por todo o mundo. A primeira vacina a obter autorização de emergência para inoculação foi a da Pfizer e BioNTech. O Reino Unido foi o primeiro país a aprovar esta vacina e a iniciar a campanha de vacinação, em dezembro de 2020.

Mais de 3 milhões de mortos no mundo

A pandemia de covid-19 provocou, pelo menos, 3.011.975 mortos no mundo, resultantes de mais de 140,6 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Portugal já contabilizou 831.645 casos e 16.951 mortes, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A covid-19 é uma doença respiratória causada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2 detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

A grande maioria dos pacientes recupera, mas uma parte evidencia sintomas por várias semanas ou até meses.

Links úteis

Mapa com os casos a nível global