A vacinação em Portugal e no Mundo

Terceira dose da vacina da Pfizer "provavelmente necessária"

MIGUEL PEREIRA DA SILVA / LUSA

Há também a possibilidade de a vacina ser tomada todos os anos, como a da gripe.

Quem tomou a vacina da Pfizer/BioNTech contra a covid-19 vai "provavelmente" necessitar de uma terceira dose, bem como uma dose anual, avançou o CEO da farmacêutica norte-americana, em entrevista ao canal norte-americano CNBC.

“Uma hipótese plausível é que provavelmente será necessária uma terceira dose, entre seis a doze meses [seguintes à toma das duas primeiras doses], e a partir daí uma vacinação a cada ano”, disse Albert Bourla.

Estas hipóteses estão ainda a ser estudadas, mas o diretor da farmacêutica diz que é "muito provável" que aconteçam, principalmente por causa das novas variantes do vírus.

O responsável da task-force anti-Covid do governo Biden, David Kessler, também já tinha dito ontem numa audição parlamentar que os americanos devem esperar receber uma dose de reforço para proteção contra as variantes em circulação do novo coronavírus.

“Não sabemos tudo nesta fase”, admitiu o David Kessler. "Estamos a estudar a duração da resposta dos anticorpos. Parece forte, mas está a diminuir e as variantes são um desafio."

A aliança Pfizer/BioNTech tinha já anunciado em fevereiro que estava a estudar o efeito de uma terceira dose da vacina para fazer frente às variantes.

Administrada em duas doses, é uma vacina que utiliza a tecnologia inovadora mRNA, tal como a da Moderna.

São as duas vacinas com maior eficácia contra a cnvid-19 - 95% para a Pfizer/BioNTech e 94,1% para a da Moderna, ainda de acordo com os ensaios clínicos.

Breve cronologia do desenvolvimento da vacina Pfizer/BioNTech

► A farmacêutica Pfizer e a empresa de biotecnologia BioNTech anunciaram na segunda semana de novembro que a sua vacina BNT162b2 contra a Covid-19 alcançou 90% de eficácia nos testes.

►Uma semana depois anunciaram ter concluído os testes com 95% de eficácia. A 19 de novembro o responsável da BioNTech revelou a possibilidade de a vacina poder começar a ser administrada antes do Natal e anunciou no dia seguinte que tinha apresentado um pedido de emergência para aprovação junto da FDA.

►O Reino Unido foi o primeiro país a aprovar a vacina da Pfizer/BioNTech e, a 8 de dezembro, foi o primeiro país a iniciar a campanha de vacinação contra a covid-19.

Além do Reino Unido, esta vacina recebeu autorização nos Estados Unidos - onde começou a ser administrada a 14 de dezembro -, Canadá, Singapura, México e Costa Rica.

►É uma das três vacinas que estão a ser administradas em Portugal, juntamente com a da Moderna e da Oxford/AstraZeneca.

Vacinas contra a covid-19: as que estão a ser usadas e as que estão a caminho

Em menos de um ano desde que foi declarada a pandemia foram desenvolvidas várias vacinas em laboratórios por todo o mundo. A primeira vacina a obter autorização de emergência para inoculação foi a da Pfizer e BioNTech. O Reino Unido foi o primeiro país a aprovar esta vacina e a iniciar a campanha de vacinação, em dezembro de 2020.

Quase 3 milhões de mortos por covid-19 em todo o mundo

A pandemia da covid-19 provocou, pelo menos, 2.974.651 mortos no mundo, resultantes de mais de 138,2 milhões de casos de infeção, segundo um balanço feito pela agência noticiosa francesa AFP.

Em Portugal, morreram 16.933 pessoas dos 829.358 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde. A pandemia chegou ao país em 02 de março de 2020 e a campanha de vacinação iniciou-se em 27 de dezembro do mesmo ano.

A covid-19 é uma doença respiratória causada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2 detetado no final de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

A grande maioria dos pacientes recupera, mas uma parte evidencia sintomas por várias semanas ou até meses.

Links úteis

Mapa com os casos a nível global

  • 4:18
  • Está a pagar um valor justo pelo seu seguro multirriscos?
    8:25
    Contas Poupança

    Contas Poupança

    Muitos portugueses podem estar a pagar a mais de seguros multirriscos, sem necessidade. No ano passado, o Contas-Poupança mostrou como podia fazer a conta para saber se estava a pagar o preço justo. Mas era um cálculo complicado. Agora há um simulador que em poucos minutos lhe diz quanto é que a seguradora lhe vai pagar se precisar de reconstruir a sua casa.