Presidenciais

Abstenção “terá crescido muito pouco e isso é sinal que estas eleições foram mais mobilizadoras”

Entrevista SIC Notícias

Pedro Magalhães, investigador do Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa, em entrevista à SIC Notícias.

As projeções ICS/ISCTE/GFK Metris para a SIC apontam para uma abstenção nestas eleições presidenciais entre os 56 e os 60%. Valores que representam uma subida em relação a 2011 (53,5%) e 2016 (51,3%).

Pedro Magalhães, investigador do ICS, explica que comparar diretamente o nível de abstenção com o de 2016 é “enganador”, sobretudo devido ao recenseamento automático da população no estrangeiro e a dificuldade que os emigrantes enfrentaram para votar.

O especialista aponta ainda que, a confirmarem-se estes resultados, ter-se-á quebrado um ciclo que começou em 2001 no qual a abstenção nas eleições em que o Presidente se recandidata tende a ser muito superior.

“Vai ser preciso perceber com o resultado da eleições e estudos posteriores o que sucedeu para que este ciclo fosse interrompido”, avança.

Sobre as “circunstâncias absolutamente extraordinárias” em que decorrem estas Presidenciais, assinala que, no território nacional, a ter crescido, a abstenção terá crescido “muito pouco”, tornando-se num sinal de que “estas eleições foram mais mobilizadoras do que se pensava que iam ser”, conclui.

AS ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS AO MINUTO

AS ELEIÇÕES PRESIDENCIAIS EM DIRETO

VEJA TAMBÉM:

PERFIL DOS CANDIDATOS