Coronavírus

Mais 3 mortes e 585 novos casos de Covid-19 em Portugal

Rafael Marchante

Balanço da DGS referente às últimas 24 horas.

Especial Coronavírus

A Direção-Geral da Saúde (DGS) anunciou esta quinta-feira a existência de 1.852 mortes e 62126 casos de Covid-19 em Portugal desde o início da pandemia.

O número de mortes subiu de 1.849 para 1.852, mais 3 do que na quarta-feira.

O número de infetados aumentou de 61.541 para 6.2126, mais 585.

Em vigilância permanecem 35.181 contactos, mais 30 do que na quarta-feira-feira.

Na região de Lisboa e Vale do Tejo foram notificados 239 novos casos, contabilizando 31.802 e 239 mortes desde o início da pandemia.

A região Norte regista hoje mais 268 casos, somando agora um total de 22.593, com 852 mortos.

Na região Centro, foram observados mais 50 casos nas últimas 24 horas, totalizando 5.094 infeções e 254 mortos, adiantam os dados da Direção-Geral da Saúde.

O Alentejo registou mais 15 infeções pelo SARS-Cov-2, o coronavírus que provoca a doença Covid-19, somando agora 1.036 casos e 22 mortos.

De acordo com os dados, a região do Algarve soma hoje mais 6 casos, totalizando 1.192 infeções e 17 mortes desde o início da pandemia.

A Região Autónoma dos Açores notificou mais um caso, o que perfaz no total 229 infeções e 15 mortos.

Na Madeira foram registados mais 6 casos de infeção, contabilizando 174 infeções de Covid-19 e nenhum óbito.

O relatório da situação epidemiológica em Portugal indica ainda que 157 pessoas recuperaram da doença nas últimas 24 horas, totalizando 43.441 pessoas dadas como recuperadas desde o início da pandemia.

Os casos confirmados distribuem-se por todas as faixas etárias, situando-se entre os 20 e os 59 anos o registo de maior número de infeções.

No total, o novo coronavírus afetou em Portugal pelo menos 28.017 homens e 34.109 mulheres, de acordo com os casos declarados.

Do total de vítimas mortais, 932 eram homens e 920 mulheres.

Pandemia já provocou mais de 900 mil mortes em todo o mundo

A pandemia provocada pelo novo coronavírus matou mais de 900.000 pessoas em todo o mundo, de acordo com um balanço da agência francesa AFP.

Desde o aparecimento dos primeiros casos na China, em dezembro, registou-se um total de 900.052 mortes em todo o mundo e 27.711.866 casos assinalados. A América Latina e as Caraíbas são as regiões mais afetadas, com 300.340 mortes, à frente da Europa (219.616).

Mais de metade das mortes por covid-19 no mundo foram registadas em quatro países: Estados Unidos (190.478), Brasil (127.464), Índia (73.890) e México (68.484).

AstraZeneca revela qual foi o efeito secundário da potencial vacina

A suspensão dos testes clínicos da vacina que está a ser desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca em conjunto com a Universidade de Oxford foi motivada por uma inflamação na coluna de um dos voluntários, revelou hoje o diretor executivo da empresa britânica.

A AstraZeneca suspendeu a última fase de testes no início desta semana depois de um dos voluntários ter sofrido um efeito adverso. O doente sofre de "sintomas associados a uma rara inflamação na medula espinal".

Em declarações à agência Reuters, Pascal Soriot afirmou ainda que até ao fim do ano será possível saber se a vacina em desenvolvimento é de facto eficaz contra a Covid-19 desde que os ensaios clínicos retomem brevemente.

As vacinas mais promissoras no combate à Covid-19

Laboratórios por todo o mundo estão numa corrida contra o tempo para desenvolver uma vacina contra o novo coronavírus. Há dezenas de equipas a testar várias candidatas a vacina, algumas estão mais avançadas e são promissoras, mas os cientistas avisam que nenhuma deverá estar pronta antes do fim deste ano ou mesmo no próximo ano.

Segundo o London School of Hygiene & Tropical Medicine, (que tem um gráfico que mostra o progresso das experiências) há 239 projetos e 8 estão na fase de ensaios clínicos - que consiste na inoculação da vacina em milhares de voluntários a fim de determinar se impede de facto a infeção.

Apesar do agora suspenso ensaio clínico, o projeto entre a Universidade de Oxford e a AstraZeneca é um dos mais promissores, a que se juntam os da Pfizer e da BioNTech, da Moderna e de vários projetos chineses, nomeadamente da CanSinoBIO que já obteve autorização para administrar a vacina em militares chineses.

Links úteis

Mapa com os casos a nível global

  • 34:18